Voo cego para a morte

Semana passada, um episódio em Recife capital de Pernambuco, quando uma criança filha de uma empregada doméstica tentando encontrar sua mãe despencou do 9º andar de um edifício, antes do fatídico acidente ficara sob responsabilidade da patroa na ausência da empregada que havia levado o cachorro para uma caminhada. Vários pretextos foram argumentados para justificar a rebeldia e apreensão da criança confinada no elevador, (com base em informações extraoficiais e algumas câmeras de segurança, a vítima foi deixada propositalmente no elevador que por deliberação própria pressionou a tecla de número 9).

Em meus parcos conhecimentos, entendo haver negligencia de vários segmentos sociais, cito: Administração do condomínio, corpo de bombeiros, secretaria estadual de educação, sociedade civil organizada, jardim de infância e maternais, como também, autoridades do sistema de segurança, se fizermos uma avaliação a grosso modo, perceberemos facilmente a inexistência de projeto educativo com o objetivo de informar, orientar, conscientizar e disciplinar crianças que residem em apartamentos, levando ao conhecimento de todos como se portar em episódios como o que antecedeu o fatídico acidente.

Seria importante que organizações de proteção, defesa e bem-estar das crianças usem essa tragédia como pauta, que seja desenvolvido um aprendizado para moradores infantis desses conglomerados residenciais, os próprios pais ou responsáveis semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente deveriam reunir todo esse contingente no playground ou outro espaço semelhante, para ministrar palestras educativas de segurança.

O ser humano traz consigo do berço algumas fobias: medo de avião, elevador, altura, escuro, solidão, isolamento e etc, na minha concepção foram esses os autores da causa do inaceitável sinistro. A criança moradora de edifícios como qualquer outro imóvel deve ser ensinado que uma panela em um fogão com chamas acesas oferece perigo, em uma tomada elétrica jamais poderá botar seu dedinho, não manusear qualquer tipo de produto inflamável, é oportuno esclarecer o que são esses produtos e seus riscos, não acessar fósforos e acendedores, orientá-los para o autocontrole no caso de ficarem a sós no domicílio, sendo o mais importante dessas orientações, o aprendizado para os primeiros socorros, para identificar um mal súbito que possa ocorrer com um idoso na ausência de seus pais ou responsáveis.

É de bom alvitre disponibilizar em um local previamente estabelecido números de telefones de parentes, conhecidos, amigos e de serviços de atendimentos emergenciais, sendo o principal a ser usado o da portaria do prédio. Portanto os críticos severos, indecentes, irresponsáveis e descompromissados da imprensa brasileira, contumazes em usarem microfones e câmeras de televisões para destilarem seus venenos de cobra cascavel, que tomem como exemplo os princípios da sensatez, honestidade, dignidade e sensibilidade, não atirando pedras a ermos atingindo inocentes de forma aviltante para ser saciados seu mau caratismo. É importante que usemos esse limão galego azedíssimo para o fabrico de uma doce limonada no futuro.

Carlos Amorim DRT 2081

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *