União, força combativa ao autoritarismo

Há 40 dias o presidente da associação dos cadeirantes de Teresina sofreu grave acidente, quando a Van que faz o transporte eficiente seu elevador desabou com o cadeirante. Além do humilhante constrangimento público quebrou o cotovelo, fraturou o braço em três lugares, alguns dedos das mãos e de um dos pés, com o impacto do rosto ao solo foi submetido a cirurgia facial, apesar do tempo decorrido ao fato não tenho conhecimento de qualquer providência para punir os autores do sinistro.

Em uma entrevista concedida na rádio da prefeitura, uma autoridade da Strans teve o descaramento de asseverar que a vítima se lançou ao solo propositalmente, declarou reconhecer que os veículos que fazem esse transporte de cadeirantes estão sucateados, ultrapassados, obsoletos e vencidos, garantiu que conhece todos os trajetos que residem esses infelizes, eivados de buracos, crateras, lamaçais, calçamento cabeça de jacaré, razão pelas quais as vans foram transformadas em verdadeiras sucatas. Se o Piauí fosse um estado sério, responsável e digno a declaração desse calhorda seria a chave para uma cadeia perpétua.

Apesar da gravidade do acidente cumulado com absoluto descaso da prefeitura a imprensa do Piauí, mais especificamente a banda podre desse segmento silenciou de forma monumental a levar ao conhecimento da opinião pública esse brutal crime. A Marlúcia Gomes Evaristo de Almeida promotora de justiça do Piauí, coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Pessoa com Deficiência se quer se abalou do conforto do seu gabinete em seu birô móvel, balançando para lá e para cá, para direita e para esquerda, para cima e para baixo e dane-se quem quiser. O desenho universal que essa autoridade usa para coagir o Firmino Filho, Prefeito de Teresina, desta feita foi enterrado, em virtude que o fato não interessa a promotora, ajudá-lo ou prejudicá-lo, portanto a neutralidade e a omissão é a oferta da casa.

O presidente Bolsonaro, em sua lúcida proposta decidiu extinguir e defenestrar todos os conselhos do território brasileiro. Aqui no Piauí temos para todos os gostos verdadeiros cabides de emprego, quando apaniguados, capachos, bajuladores e incompetentes ganham muito dinheiro se autointitulando de tutores e defensores dos direitos de 850 mil pessoas com algum tipo de deficiência no estado e 220 mil em Teresina, portanto poderes, autoridades, gestores, executivos, legislativos e sociedade civil organizada ignoram absolutamente a legislação vigente nas 3 esferas de governo em garantia desse contingente adjetivado de minoria, são indivíduos detentores do poder, excludentes, preconceituosos, maledicentes, indignos, maus-caracteres que invisibilizam de forma estúpida as pessoas com deficiência em sua luta pela inclusão, emprego e renda e dignidade ao exercício de cidadania.

Acredito que chegou a hora desses 46 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, dados estatísticos do IBGE censo 2010, assumirem responsabilidade perante a nação, reconhecendo a força do voto para expulsar decrépitos, bandidos, vagabundos e ladrões dos parlamentos brasileiros que estão há décadas promovendo tudo que não presta em desfavor da nossa inserção em todos os parâmetros que se possa imaginar.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em quarta-feira, julho 31st, 2019 às 9:06 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário