Último Perdão ao Padre Brandt

Autor: Antônio Carlos Silva, natural de Arari/MA

Carlos Amorim e seu último perdão no encontro que teve com o padre Clodomir Brandt e Silva.

Pedi ao padre Brandt, o seu último perdão…

Foi a mais pura emoção e de coração aberto,

Naquelas horas que antecedia o último adeus,

Mais uma vez eu lhe pedi clemência e perdão.

Ali, sem nenhum constrangimento ou hesitação,

Pus minha mão sobre a sua e ele correspondeu.

Aquele gesto de gratidão que pude lhe transmitir,

Ninguém, em plena consciência, poderia entender.

Daquele padre Brandt rigoroso que eu conheci,

Vi escorrer duas lágrimas de adeus e despedida,

Não ouvi sair da sua boca o som de uma palavra,

Mas, sei que ele escutou o perdão que lhe pedi.

Agora com a voz emudecida, mas que não esqueci,

Transmitida num aperto de mão, vinda do coração,

Confirmou naquele gesto o seu lado bom e amigo,

A proximidade que existe entre o amor e o perdão.

Aquelas duas lágrimas que dos seus olhos caíram,

Como duas gotas d’água de uma fonte que secara,

Senti ali de perto naquele gesto a leveza e gratidão,

O sentimento de alívio e muita paz no meu coração.

Assim como a luz que brilha em plena escuridão,

O sol que clareia as trevas e dá vida aqui no chão,

Pude sentir no silêncio as palavras que ele me diria:

Carlos Amorim não te aflijas: tu tens o meu perdão!

São Paulo, 08 de novembro de 2017.



Este texto foi publicado em quarta-feira, novembro 22nd, 2017 às 8:24 am na(s) categoria(s) Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário