Tolerância zero, o céu é o limite

Getúlio VargasPraça Marechal Floriano Peixoto, centro do Rio de Janeiro, popularmente conhecida como Cinelândia abriga na margem direita da Avenida Rio Branco monumento de busto do saudoso presidente Getúlio Dornelles Vargas, afixado no pedestal a histórica “Carta Testamento” de 1954 com letras esculpidas em uma placa de bronze.

Por várias vezes ouvi presencialmente os eloquentes e entusiasmados discursos do ex-governador do Rio de Janeiro por duas vezes, o saudoso Leonel de Moura Brizola, na minha concepção o discurso mais envolvente, emocionante, efusivo e contundente foi realizado em 1979, sendo o primeiro após o seu retorno do exílio contemplado pela anistia ampla geral e irrestrita, alguns dias antecedente a criação da sigla partidária PDT. Tenho esses momentos maravilhosos da recente história democrática do Brasil registrados em minha mente, meu coração em minha alma e no meu espírito, legado histórico que me orgulha o privilégio da dádiva. Quem tiver a oportunidade de visitar a cidade maravilhosa do Rio de Janeiro, por favor, marque presença nesse point referente a extinta soberania, liberdade e independência do Brasil.

Nessa terça-feira (23) o Senado Federal do Brasil revogou o grande legado de Getúlio Vargas deixado aos brasileiros, se tratava da menina dos olhos daquele eminente presidente, quando fundou a Petrobrás com o slogan “O Petróleo é Nosso”, essa nossa propriedade foi entregue graciosamente a quem dela quiser tomar posse. O adágio popular denominado “preço de banana” sequer foi ventilado para efetuarem a entrega da quebrada, falida e roubada Petrobrás.

As imensas reservas de petróleo do pré-sal existentes em águas profundas nas 200 milhas abrangentes dos nossos mares cantados e decantados em versos e prosas pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva como sendo a redenção do desenvolvimento econômico brasileiro, de fato, sequer chegou a ser prospectado um balde para ser chutado pelo apresentador de televisão e deputado federal Silas Freire, simplesmente foi contemplado de forma pífia, humilhante e vergonhosa, referenda ao adágio meia boca que diz: “Nadou, nadou e morreu na praia”, portanto o povo brasileiro está se esvaindo em lágrimas, como também os restos mortais do presidente Getúlio Vargas se contorcem em seu leito eterno.

Os políticos brasileiros liderados pelos congressistas federais em sua absoluta maioria são verdadeiros marginais, descompromissados, irresponsáveis, egoístas, individualistas, mercantilistas, venais e desonestos. A sessão que culminou com o desastre acima mencionado, me assegura o direito de qualifica-los da forma mais rigorosa que se possa imaginar, a contribuição dessa gente para com o país é praticamente zero, os bilhões em impostos pagos pelo contribuinte brasileiro não retorna em forma de serviços para a sociedade, a vultosa massa monetária tem endereço certo, manter mordomias e vidas nababesca dos pseudos representantes desse sacrificado povo.

A Câmara Federal formada por 513 deputados custam aos cofres da nação acima de 200 mil mensais por cabeça. Semelhante a este, são os valores pagos ao peso morto formado por 81 senadores que compõem o Senado Federal. Em seguida vem os ministérios com seus suntuosos gabinetes que também custam os olhos da cara do trabalhador, e seguido pelos escalões inferiores que juntos terminam de arrebentar a economia do governo federal.

Nas 26 províncias são formadas as capitanias hereditárias compostas pelos poderes executivos, legislativos, municipais e estaduais, acompanhando os mesmos moldes da cúpula alta do poder brasileiro. Não sei se me faço entender, o que tento explicar é que essa gente não tem a mínima preocupação com o Brasil seus objetivos são exclusivamente espoliar a nação, suas atenções são terminantemente voltadas para o dinheiro, quanto mais, melhor, são insaciáveis, têm apetite de vaca ruminando eternamente, trabalhando na lavagem de recursos públicos oriundos da famigerada e impune corrupção, sendo estes recursos depositados de forma ilegal em paraísos fiscais muito distantes do Brasil.

Imaginemos futuro longínquo, quando por força de legislação as ocupações dos cargos que mencionei anteriormente fossem ocupadas voluntariamente, apenas recebendo ajuda de custo para as despesas inerentes à representatividade colaborativa a nação. Toda a fábula financeira a serviço de garantias essenciais ao povo como educação, saúde, segurança, moradia, casa própria, construção de presídios e outros, pode ter certeza que não haveria pais melhor para se viver.

Alguém pode me questionar: O parlamentar eleito iria pedir esmolas? Explico rapidamente a metodologia da proposta, ajuda de custo que me referi acima seria referente ao que o estado brasileiro determina como remuneração ao trabalhador em sua atividade profissional registrado em carteira de trabalho, que poderia ser usado como parâmetro ou referencia, o que determina o Dieese que na presente data asseguraria como salário mínimo 4 mil reais, daí por diante as diversas variações salariais seriam comtempladas em legislações normativas afins.

Os nossos representantes e demais componentes dos poderes teriam a disponibilidade de exercer um único mandato, para que houvesse a rotatividade das cadeiras, impossibilitando a profissionalização oficial da vagabundagem em nome do povo.

O poder Judiciário escudado em rígidos códigos processual, criminal e cível julgariam aos mínimos deslizes com mão de ferro ao rigor da lei, condenando bandidos, ladrões e corruptos que ousassem desrespeitar determinações legais, sendo suas penas cumpridas integralmente em regime fechado sem direito a qualquer que fosse a benesse em seu favor.

Este é o retrato de um Brasil progressista com todos os brasileiros caminhando de forma harmônica em um único sentido que seria qualidade de vida, progresso e felicidade permanente ao alcance de suas mãos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *