Tenores chorões

taçaTenho 63 anos, sinto-me privilegiado em acompanhar esse momento histórico que vive o Brasil ao sediar a copa do mundo 2014, infelizmente minha felicidade não é plena em decorrência da fragilidade do selecionado brasileiro, a cada partida disputada consegue ser pior que a anterior.

O primeiro jogo contra a Croácia ficou visível a fragilidade da equipe, a duras custas conseguiu o placar de 3X1, graças ao a um apito amigo, embora tendo saído vitorioso nessa empreitada não conseguiu convencer a maioria dos 200 milhões de técnicos existentes nesse país.

A segunda partida, com o México amargou um 0X0 contrariando prognóstico de fanáticos torcedores que queriam avassaladora goleada. O jogo com a seleção de Camarões apesar do placar favorável de 4X1 foi vexame de repercussão mundial, pelo fato do selecionado africano não almejar qualquer objetivo no torneio, já desclassificado, desmotivado, desestruturado, incompleto e abatido emocionalmente, mesmo assim conseguiu vazar a meta brasileira, sendo o único gol feito nas três competições que realizou. Esse fato preocupa a todos, pois o selecionado que pretende ser campeão do mundo, jamais poderia tomar gol de um time desorganizado como o de Camarões.

O jogo contra o Chile foi um verdadeiro desastre, aos trancos e barrancos nossa seleção conseguiu chegar as quartas de final, vaticínio que na próxima sexta-feira (4) a equipe brasileira amargará sua despedida do torneio, enfrentará o selecionado da Colômbia, muito bem treinada, estruturada, sendo a distribuição dos atletas formatados a executar coletivamente jogadas de rápido toque de bola, tendo esse time a capacidade de alterar o esquema tático no decorrer da partida de forma sutil e objetiva, enquanto o nosso selecionado tem como esperança de vitória a boa, maravilhosa, excepcional e fantástica atuação de um único jogador, o camisa 10 Neymar. É impossível não reconhecer a qualidade desse atleta, mas é facilmente identificável que o Felipão convocou errado nosso selecionado.

Não vou me ater às peças fundamentais que foram esquecidas, embora em suas entrevistas tenha esboçado reações negativas sobre jogadores convocados que não deveriam estar no grupo.

Desde que tomei entendimento e gosto pelo futebol tive a curiosidade de ouvir os grandes mestres da crônica esportiva brasileira, convivi no Rio de Janeiro muito próximo ao João Saldanha, que em seus comentários era sempre muito enfático ao afirmar que futebol é feito para homem, pela brutalidade e riscos que o atleta é submetido por ter escolhido a profissão de jogador de futebol, sofrendo enormes pressões e fortes emoções que devem ser administradas sobre sacrifício até de sua própria vida, fatos corriqueiramente ocorridos a cada chute, a cada gol, a cada vitória, a cada derrota, a cada conclusão e até a cada expulsão que poderá ser justa ou injusta.

No último jogo das oitavas, quando houve a classificação através da última penalidade cobrada pelo time brasileiro, ocorreu verdadeiro vale de lágrimas invejável aos grandes dilúvios que o mundo tem notícia. Cada jogador se descabelava, gritava, chorava, rolava no gramado de forma incontrolável. O descontrole atingiu severamente toda comissão técnica que se derreteram em agradecimento aos deuses da bola pela vitória estonteante, parecia até terem se sagrado campeões do mundo naquela ocasião. Apesar do vexame protagonizado pelo Thiago Silva, ajoelhado aos pés do Felipão implorou para não bater um dos pênaltis, pois não reunia condições psicológicas, mentais, emocionais, cívicas e técnicas. Na minha avaliação confirma-se a incapacidade de reação do atleta para executar sua atividade laboral aos olhos do mundo (tremeu na base).

Lembro-me da fabulosa campanha que fez a seleção brasileira em 1970 no México, levantamos definitivamente o tri campeonato mundial trazendo a taça Jules Rimet,para o nosso país. Apesar de todo esse fato glorioso, não houvera o chororô protagonizado por esses inexperientes meninos do Brasil.

Nelson Rodrigues em suas crônicas cunhou a célebre frase “Na copa do mundo o Brasil é a pátria de chuteiras”, É do conhecimento de todos que o símbolo máximo de uma nação se reflete em dois paradigmas, pavilhão e o seu hino, o cidadão deve reverenciá-los com respeito e o devido controle emocional. Imaginemos toda a corporação do 25º Batalhão de Caçadores pertencentes ao exercito brasileiro, quando toda a tropa enfileirada na forma correta em obediência aos ditames do regimento militar, ao ouvirem a execução do hino nacional todos emocionados, chorosos, emotivos se desmanchando em lágrimas não suportando a carga de responsabilidade cívica caem no chão e choram copiosamente de forma descontrolada, seria verdadeiro caos, motivo de grande preocupação, mereceria enérgicas providencias por parte das Forças Armadas do Brasil.

Infelizmente lamento informar que não consigo confiar nessa seleção do Felipão. É um homem que tem seus valores, mas turrão teimoso, intransigente, arrogante e truculento, causará grandes prejuízos ao futebol do Brasil por um simples fato: Se desentendeu com os profissionais da crônica esportiva, e de posse do que eu chamaria de calundu, não convocou as peças necessárias para que a seleção brasileira conquistasse o hexacampeonato mundial promovido no seu próprio país.

Esses fatos são matérias jornalísticas esportivas massificadas em todos os veículos de comunicação do planeta. Gostaria muitíssimo de estar equivocado em minha análise, mas sou obrigado a reconhecer a fragilidade do nosso selecionado e consequentemente lamentar o precoce adeus do nosso time nessa competição. Esperamos 64 anos para vivermos o segundo sonho de sediarmos outra copa do mundo e sagrarmos campeões.

De forma lacônica deixamos um bay bay ou até breve em 2018 em outro país. Para mim derrota ou vitória nesse certame é um momento único, se houver próxima oportunidade eu já não estarei mais nesse plano já fui cantar em outra freguesia.



Tags: ,
Este texto foi publicado em quarta-feira, julho 2nd, 2014 às 1:22 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário