Sucatas humanas cegas, jamais no Piauí

Dia 6 de janeiro a Associação dos Cegos do Piauí-Acep e seus membros associativos, corpo docente e discente perderam o professor Sebastião Ferreira Soares, que a tempo vivia sofrendo com várias patologias, as quais os médicos não conseguiram debelar. O velório foi realizado na sede da entidade em conformidade com seu próprio desejo em vida, acorreram à Rua Beneditinos nº 537, bairro São Pedro dezenas de pessoas, amigos, parentes, aderentes, autoridades e a comunidade de pessoas com deficiencia visual.

O professor Sebastião Ferreira, era o único entre nós dos cinco fundadores que edificaram em base e alicerce sólido e resistente, essa instituição a principal razão da sua vida, muitas das vezes abdicava dispensar atenção a sua família em prol da educação, da capacitação profissional a conquista de uma vida digna e produtiva da pessoa com deficiencia visual do Piaui.

O velório foi encerrado dia 7 às 9h da manhã, sendo o corpo trasladado para Angical sua terra natal, foi recepcionado em casa de parentes e por volta de 4h da tarde aos 91 anos foi sepultado em seu leito eterno, onde ficará até a consumação dos tempos na esperança da promessa da volta de Jesus Cristo para ressuscitação dos mortos, portanto fica uma saudade, uma lacuna impreenchível cumulado com gigantesca tristeza a todos que o admirava, considerava e reconhecia a importância do seu trabalho ao exercício de cidadania de todas as pessoas cegas do estado do Piauí.

É nítido, visível e facilmente perceptível a inexistência de pessoas com deficiencia visual lançando mão a caridade pública, ou seja, não existe membros da Associação dos Cegos do Piauí mendigando nas ruas, avenidas e praças públicas de Teresina, legado da parcela de contribuição do esforço do professor Sebastião Ferreira Soares, a essa segmento que ganha a vida com suor do seu rosto ao desenvolver uma atividade laboral de forma honesta, digna e produtiva.

Fecha-se o ciclo de Sebastião Ferreira Soares e Associação dos Cegos do Piauí, de 21/06/1967 a 06/01 de 2020, quando a partir do encerramento desse período de 52 anos a Acep a alta cúpula de sua direção devem promoverem novo processo administrativo, civil e jurídico como forma de marcar a longa gestão do nosso inesquecível professor Sebastião Ferreira Soares de saudosa memória.

Em homenagem a historia desse abnegável profissional da educação sugiro mudança da rasão social da instituição para Associação dos Deficientes Visuais do Piaui-ADVIP, blindando todo o histórico da Associação dos Cegos do Piauí-Acep a qualquer desgaste que por ventura ocorra e enodoe a história dos cinco gênios da Fundação dessa entidade: Sebastião Ferreira, Abdon Nunes, Gerardo Nogueira, Emanoel Veloso e Joel Loureiro, todos em outra dimensão.

É importante informar que minha orientação tem fundamento na convenção da ONU realizada em Salamanca na Espanha, cuja redação foi ratificada na constituição federal do Brasil, quando 193 países decidiram alterar nomenclaturas ou denominações ao tratamento a pessoa com algum tipo de deficiencia, exemplo: Pessoa com deficiência visual pessoa com deficiencia auditiva , pessoa com deficiencia intelectual, pessoa com deficiencia física cadeirante, muletante, pessoa com espectro do autismo(autista) pessoa com Síndrome de Down, múltiplas deficiências e deficiencia sensoriais, todos esses termos são abraçados pela LBI Lei Brasileira da Inclusão nº 13.146/2015 Estatuto da Pessoa com Deficiência do Brasil.

Em nome da Associação dos Cegos do Piauí deixo minhas condolências a esses valorosos vultos que estão em espírito presentes em nossas vidas reconhecidos pela magnitude do trabalho humanístico desenvolvido neste plano terreno.

Carlos Amorim DRT 2081

Não falo Grego

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *