Selo 16 anos de mentiras

Estado democrático de direito (presente).

Em março de 1964 iniciou-se uma página negra da história do Brasil, os militares tomaram o poder, o Brasil viveu por 21 anos o processo de exceção, censura e ditadura severa, as instituições brasileiras foram defenestradas, os nacionalistas que se colocaram contrário ao processo foram exilados do país, os que ficaram foram presos, torturados e assassinados.

Após a sangrenta batalha, os que resistiram promoveram nos anos 70 memoráveis manifestações em prol das liberdades e conquistas de direitos inalienáveis e a tomada do poder através do exercício de cidadania referente ao voto livre, independente e soberano antes da constituinte que gerou o documento cidadão de 5 de outubro de 1988, muitos brasileiros tombaram e não chegaram a viver ares de liberdade pela qual foram trucidados.

Nos dias atuais com todas as conquistas vigentes temos que conviver e suportar ignorância, estupidez, abuso, falta de respeito e inomináveis crimes em desfavor do processo democrático brasileiro, temos como exemplo a rádio Teresina FM, a sórdida atuação do detentor da concessão pública de rádio determina aos empregados em seu nome cometerem calúnia, difamação, injúria, discriminação, preconceito, retaliação e represália aos pensamentos diferentes da linha editorial da emissora, quando o vil metal se sobrepõe as garantias asseguradas ao artigo 5º da Constituição Federal. Direito a liberdade de expressão, livre manifestação das ideias, direito a defesa, a presunção da inocência, ao contraditório, ao devido processo legal, como também, absoluto respeito ao artigo 220.

Com esse leque de abuso percebe-se facilmente a necessidade de uma intervenção ou reação da opinião pública, empresários, autoridades e poderes constituídos para brecar atos nocivos, imundos e abominadores. Ocorrência diária aos microfones da rádio Teresina FM, dou exemplo tácito de tal ignomínia: Aos 20 dias do mês de janeiro até ontem 11 de agosto do corrente ano enviei para o WhatsApp centenas de áudios, jamais veicularam sequer uma única manifestação registrada por mim, desta forma a Simone Castro, declina ao chão, sendo desmascarada de forma humilhante por ter declarado centenas de vezes, que não fazia triagem das matérias, nem tão pouco identificava as origens, nesse aspecto. Essa senhora de meia idade pode ser tranquilamente adjetivada de mentirosa sem direito a sursis (os telefones 2107 4999 e 2107 4998 são apenas e tão somente de saudosa memória ou objeto de embromações).

Em 3 dias a rádio Teresina FM completará 16 anos de fundação, acompanhei toda a sua trajetória de rádio comunitária, a migração para FM convencional, como prova de mau caratismo imediatamente ao implementar uma nova grade de programação massificou propagou e veiculou a falsa notícia, “que a rádio comunitária derrubava avião”, fica nítido o descompromisso dessa gente, como profissional da comunicação.

Sem muito esforço percebo o declínio vertiginoso dessa emissora, com participação de imbecis desprovidos de formação, informação, desconhecimento da forma de linguagem, função da linguagem, concordância verbal e nominal, havendo inaceitáveis, vícios e calos protagonizados pelos medíocres cuspidores de microfones da emissora.

Recentemente em uma entrevista com o candidato Sílvio Mendes, dois blocos e meio de merchandising a Simone Castro, informou ao entrevistado por 28 vezes ser jornalista, como também, cheguei a conta 45 vezes a tal jornalista mencionar a palavra “a gente”. Eu tenho convicção que essa senhora não detinha o poder ou devido conhecimento de adjetivos e sinônimos, com a sua atuação medíocre e fragilizada entendi ser carente de conhecimentos verbais de expressões, sendo o argumento o calcanhar de Aquiles que enfrenta no dia a dia de sua atuação.  

Como presente de aniversário, apresento abaixo algumas formas de linguagem produzidas por subservientes, pseudos profissionais dessa emissora, situações vexatórias, deprimentes, vergonhosas para esta emissora que se autointitula a dona da verdade.

Carlos Amorim  DRT 2081/PI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima