Retrocesso cultural ao pedinte na via pública

Há 40 dias da deflagração do pleito eleitoral 2018 os brasileiros ainda não definiram sua opção aos cargos de milhares de candidatos que pleiteiam a nossa representatividade, existe gigantesca desinformação a legislação, de forma estúpida obriga o candidato a confinamento em um quarto apenas com direito a gritar, berrar e esbravejar pela fresta da janela anunciando que é candidato, todos os meios para divulgar a campanha é proibido, o TRE atua como jabuticaba brasileira em virtude que o esdruxulo poder só existe nessa terra de Cabral, (os dois).

Não entendo que tipo de democracia vivemos, enquanto um candidato tem 5 segundos de tempo para se manifestar nos veículos de comunicação, outros são contemplados de forma privilegiada com 5 ou 10 minutos, a mídia brasileira tem seu lado, os detentores dessas concessões públicas e classe patronal asseguram visibilidade apenas e tão somente aos que permanecem há décadas com suas caras nos vídeos dos televisores e suas vozes nos rádios receptores em criminoso processo de exclusão, aumentando assustadoramente o fosso que separa e distancia-se o menor do maior. O agravante de todo esse processo nefasto são os precedimentos desonestos protagonizados por âncoras que devem obediência canina ao patrão.

Segunda-feira (27) o Jornal Nacional veiculado pela rede Globo de televisão entrevistou o candidato a presidência da República do Brasil o senhor Ciro Gomes, foi submetido pelo apresentador William Bonner e Renata a verdadeiro interrogatório policial que posso qualificar de inquisição, sabatina, uma devassa, escarafunchando todas as entranhas do candidato, toda entrevista foi veemente em desfavor de seus questionamentos desconstruindo o candidato. Ficou nítido, facilmente visível e compreensivo a existência de sórdida maledicência para desmoralizar o Ciro Gomes, o reduzidíssimo espaço que deveria ser usado para que o candidato massificasse suas propostas foi interpelado e bloqueado por constantes intromissões do âncora do programa.

O questionamento que veio a baila, o crédito que o candidato declinou ao presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, quando foi acusado de ser processado por uma série de procedimentos cometidos em desfavor do estado brasileiro, ocorre que no Brasil há uma gigantesca câmara de recursos que assegura ao cidadão acusado a inelegibilidade, somente após o trânsito e julgado por um colegiado, acredito que o Bonner tenha no mínimo esse conhecimento, embora demonstrando estar a serviço e alguém.

O Ciro Gomes com base em vários cargos desempenhados ao longo de sua vida politica que vai de prefeito a ministro tem convicção que está no caminho certo, vitima de forças claríssimas facilmente identificáveis, trabalhando em desfavor das propostas desse cearense corajoso e desbravador. O compromisso de limpar o nome dos brasileiros da lista do Serasa é possível e tem amparo legal, quando o presidenciável foi ministro da fazenda a taxa Selic era de mais de 20% ao ano, nos dias atuais essa taxa de juro caiu para 6,5% ao ano, é inaceitável, inadmissível e impossível o brasileiro pagar juros cima de 300% ao ano que é o caso do cheque especial e cartão de crédito, as financeiras impõem juros, mora, taxas e seguros que somam media de 22% ao mês, portanto esses abusos sendo determinado é possível um débito de 10 mil reais ser reduzido para pouco mais de mil reais.

Tenho percebido que o eleitor não sabe quais atribuições dos cargos eletivos dos candidatos, os próprios candidatos ignoram suas futuras funções ao serem eleitos. Ouvi ontem uma entrevista na rádio Teresina FM de um candidato a governador do estado do Piauí que asseverou, ao ser eleito cuidará das calçadas de Teresina, da sinalização de trânsito, do asfaltamento da via pública para garantir acessibilidade às pessoas com algum tipo de deficiência. Percebe-se de forma desprezível que o tal candidato pretende ludibriar o eleitorado, demonstrando brutal desconhecimento para sua função. As propostas, promessas e compromissos a esse respeito são atribuições da prefeitura municipal, jamais do poder executivo do governo do estado.

Provoquei a propósito a manifestação do candidato a respeito, pois tinha convicção que o mesmo atiraria para todos os lados por ausencia do conhecimento da politica de acessibilidade vigente no Brasil de garantias de direitos a pessoas com algum tipo de deficiência, abraçada por vastíssima legislação federal, estadual e municipal, até a presente data descartando essa aberração mencionada acima nenhum candidato, qualquer que seja sua pretensão eleitoral não mencionou nenhum tipo de atenção ao contingente de 850 mil pessoas com algum tipo de deficiência existente no Piauí dados do IBGE censo 2010.

O deplorável propósito nos achincalham, humilham, desmoraliza e exclui, diminuindo e descredenciando o nosso direito de exercermos as garantias cívicas ao voto. Como pessoa com deficiência visual me autoincluo nessa denuncia autentica e verídica em conformidade com o processo de preconceito, discriminação e retaliação demostrada.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em terça-feira, agosto 28th, 2018 às 10:03 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário