Ressuscitada seca de 1938

Semana passada participei de um evento concorridíssimo, todos os espaços no auditório estavam ocupados, houvera a formação da mesa, autoridades e convidados se manifestaram, enfim foi anunciado que  o coquetel seria servido a todos ao tempo em que a solenidade foi encerrada.

As pessoas de forma descontrolada e deseducada correram em direção às mesas onde estavam expostas bandejas com as deliciosas iguarias. Eu por ser pessoa com deficiencia visual na ocasião não disponibilizava de acompanhante permaneci sentado a observar através de minha audição a muvuca estabelecida pelos famintos, alguns comentavam que levaria algum para casa, outros declaravam que tirariam a barriga da miséria, os mais ousados criavam motes improvisados por suas criatividades artísticas, exemplo: Em terra de pouca farinha meu pirão primeiro, vou ficar nesse boca livre até o final de tudo.

Enquanto isso, após 45min daquela muvuca um casal me ofereceu um lanche, agradeci e aceitei apenas um copo com água. Dentre todos aqueles indivíduos consegui ser percebido apenas por essas duas pessoas, embora todos me conhecessem e  sabem  da minha dificuldade de locomoção, mas circularam em minha volta indo e vindo dezenas de vezes ignorando minha presença.

Escrevo esse fato lamentável apenas com um objetivo, chamar atenção das autoridades, poderes e gestores públicos para a devida atenção e respeito à legislação vigente no Brasil pertinente a pessoa com deficiencia.

O evento mencionado por mim contou com a presença de 99,9% de profissionais da comunicação do Piauí. Com base no fato que declino deverá haver fortíssimo processo educativo, informativo e conscientizador para que esse segmento possa levar ao conhecimento da opinião pública o disposto no arcabouço jurídico brasileiro referente a garantia de direitos  a essa fatia da população brasileira adjetivada de minorias, representada no Piauí por 850 mil indivíduos, no município de Teresina 220 mil, dados estatísticos do IBGE/2010.

Acredito que em conformidade com o decreto federal 5.296/2004 que regulamenta a lei 10.048/2000 que concedeu o prazo de 10 anos o qual venceu no último 3 de dezembro de 2014, quando todos os espaços e atitudes individuais deveriam estar adaptados as necessidades da pessoa com deficiencia no Brasil.

As autoridades desse estado que detém o poder e o comando dos setores de comunicação implementarão rigorosas e severas providencias para que a comunicação oferecida ao grande público seja efetuada de forma incisiva, rígida e severa para que o processo de exclusão, discriminação e preconceito seja combatido de forma exemplar, sendo necessário para concretizar esse compromisso reciclar todos os militantes que atuam nos veículos de concessão pública de rádio e televisão desse estado, evitando assim constrangimentos de forma nociva ao cidadão com algum tipo de deficiencia do estado do Piauí.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *