Pau-ferro, madeira de dar em doido

Segunda-feira (29) a concessão pública rádio Antares, veículo pertencente ao governo do estado do Piauí, veiculou o programa Jornal da Antares, edição primeira edição, apresentado de segunda a sexta-feira. Para minha perplexidade a pauta ignorou magistralmente a histórica eleição em segundo turno realizada no dia anterior, ou seja, domingo (28), quando foi eleito o candidato a presidência da república Jair Bolsonaro, com sufrágio de 57.796.972 com diferença acima de 11 milhões de votos sobre o representante do PT.

Outro dado importante seria a eleição de três estados da unidade federativa do Brasil que também foram eleitos no mesmo processo eleitoral. A meu ver esse criminoso procedimento denunciado, refere-se a retaliação, represália e ódio mortal referente a estonteante vitória do presidenciável, agora de fato e de direito presidente eleito de forma livre, independente e soberana pelo eleitorado brasileiro.

O fato de alguém que se autointitula de derrotado ser agente ou gestor publico de uma entidade estatal de comunicação não lhe assegura qualquer direito de impedir a opinião pública de ter acesso à informação, qualquer que seja, principalmente no parâmetro dessa discussão. Os autores desse delito criminoso devem ser punidos rigorosamente para que seja resgatada a credibilidade desse veículo pessimamente administrado.

No dia de ontem várias entrevistas foram concedidas em rede para todo o Brasil, o presidente eleito Bolsonaro foi explícito em informar que privatizará os veículos de rádio e televisão de propriedades do governo federal, evitando despesas mensais de um milhão de reais sem que haja justificativa dos conteúdos e pautas veiculadas.

No caso da Antares o governo do Piauí tem que tomar as mesmas providências, privatizando ou fazendo uma parceria publico privado para evitar esse peso morto rádio e TV Antares, que posso adjetivá-las de verdadeiros elefantes branco servindo apenas ao longo dos anos como moeda de troca para contemplar apaniguados, frutos de negociatas eleitoreira.

Esse monstruoso e desrespeitoso fato foi comunicado a uma coordenadora do presidente eleito, que de forma estarrecida e surpresa disse-me com todas as letras: Tenho dificuldade em acreditar nesse absurdo, mas vou levar ao conhecimento do presidente eleito para que seja tomado as devidas providências, podendo culminar com a revogação da concessão autorizada, pois o direito a liberdade de informar e ser informado foi violado de forma inaceitável.

A título de informação no dia de hoje a programação denunciada realizou simples maquiagem, quando veiculou enlatados informativos produzidos por agências de notícias dando conta apenas e tão somente das questões técnicas e jurídicas do processo eleitoral, censurando explicitamente divulgar qualquer manifestação do presidente Bolsonaro, de centenas de entrevistas concedidas a todos os veículos de comunicação do Brasil, significando asseverar que a voz do presidente eleito Bolsonaro, esta proibida de ser manifestada na grade de programação da rádio Antares AM do Piauí.

Proclamada a vitória do presidente eleito os olhos do mundo estavam voltados para o Brasil, a mídia internacional deu grande destaque às eleições brasileira, gerando imensa repercussão e impactando bilhões de pessoas de todo planeta. Centenas de chefes de estado e autoridades de grande prestígio de países desenvolvidos parabenizaram e elogiaram o presidente eleito do Brasil, falaram com o mesmo, desejaram boa sorte e muito sucesso e propuseram parcerias com o Brasil. Mesmo com o reconhecimento demonstrado ao nosso presidente, qual motivo da rádio Antares proceder com tamanha grosseria, falta de respeito, ignorância e imbecilidade na tentativa inútil de ocultar esse fato histórico que ficará registrado eternamente nos anais da República Federativa do Brasil.

Corroboro em gênero, número e grau, essa facção criminosa do PT tem que ser defenestrada e eliminada da face da terra, apenas com essas providências, a miséria, fome, subserviência de incautos e desprovidos recuperarão a dignidade ao exercício de cidadania para escolher de forma independente e livre seu legítimo representante através da urna eletrônica, sem que haja imposição nem tão pouco a barganha empurrada garganta a baixo para corromper e desvirtuar a consciência do eleitor desfavorecido, abandonado, excluído e esquecido.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em terça-feira, outubro 30th, 2018 às 9:34 am na(s) categoria(s) Crítica, Denúncia, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário