Ordem e progresso ao avesso

Constantemente operadores do direito, membros do poder judiciário, Ministério Publico, imprensa falada, televisada, escrita, sociedade civil organizada e desorganizada tambem, propagam, propalam, divulgam e massificam que são impedidos de manterem bandidos na cadeia, em virtude da fragilidade das leis que são caducas e remanescentes da década de 40, sendo necessário urgente reforma dos códigos para que esses canalhas apodreçam na cadeia.

Do alto da minha ignorância rechaço com veemência o proselitismo do discurso assinado com o objetivo de justificar o injustificável, servindo como escudo as injustiças e comercialização de sentenças por parte de magistrados. Recentemente houve um bate boca na mais alta corte de justiça do país, quando dois ministros se digladiaram acusando-se simultaneamente de ações indevidas e criminosas em suas decisões laborais.

Um acusado com termo probante de acusação inequívoca acostado aos autos, sendo desvio de milhões de dólares para o exterior, sonegações de informações ao imposto de renda culminando com 16k de ouro em barras depositados na suíça. Apesar da gravidade das acusações esse acusado ficou apenas 3 dias na cadeia, foi colocado em liberdade através de uma liminar, gostaria de saber qual lei agraciou esse gênio da delapidação do erário publico brasileiro?

Outra situação que me chama muito atenção refere-se as celeridades de ações ajuizadas pelo senhor Washington Cleverlange e Frasquim, pescador de piaba das águas poluídas do Rio Poti, qual desses dois cidadãos terá atenção privilegiada do juiz e a benevolência da lei por suas interpretações tendenciosas e mentirosas para contemplar o de maior peso no processo? Tenho convicção que não será necessário recorrer a extraordinária inteligência de Freud, você como simples mortal tire suas próprias conclusões.

Tomei conhecimento através da mídia que o governo do Ceará pretende exterminar o juizado de pequenas causas do estado, pela sua ineficiência, despreparo, falta de recurso, ausencia de material humano, descompromisso com a lei e outros, quero corroborar com o propósito cearense, é fundamental para que o cidadão não seja enganado por essas arapucas armadas em todas as esquinas, no Piauí não e diferente, um único juiz togado tem atribuição de julgar 5, 6, 7, 8, demandas dessas unidades. As caducas leis da década de 40 são observadas pelo julgador? Tenho convicção que não.

Em uma audiência de instrução realizada no juizado da Faculdade Santo Agostinho no bairro São Pedro, embora constasse nos autos que a parte acusada havia sido intimada para audiência aprazada naquela data e horário, esta não compareceu, após 15 minutos de tolerância legalmente constituído o juiz usando de suas atribuições legais deu a sentença à revelia, sendo necessário o “janegão” da juíza togada para o cumprimento da decisão judicial.

Pasmem os senhores dois meses após, recebi em minha residência intimação que asseverava aplicação da lei não sei se do século passado ou se do atual com os seguintes dizeres: Arquivo o processo sem julgamento, pois não entendo ter havida revelia. Fica evidente que essa pérola promovida pela juíza togada do juizado centro reflete o tipo de maledicência, irresponsabilidade e descompromisso da justiça do Piauí.

Do alto do meu tamanco de pau-ferro da Amazônia entendo que a determinação da lei assevera nesses casos, quando uma das partes falta a audiência, tudo que foi acusado torna-se verídico perante a justiça, no caso em baila a meritíssima confundiu buchada de bode com file a parmegiana, purê de batata selecionada e arroz branco integral regado ao filete de azeite de oliva importado da Espanha, acompanhada de uma taça de vinho do porto da safra de 1938.

Com toda essa vastíssima fundamentação percebo facilmente que estamos caminhando em fortíssima areia movediça de consequências incalculáveis a nossa justiça tupiniquim.

Carlos Amorim DRT 2081/PI



Este texto foi publicado em segunda-feira, outubro 30th, 2017 às 9:17 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário