Não há mais tempo a perder

O presidente Bolsonaro repudiou o quesito 31 do Enem referente ao dicionário do kit Gay, irritado garantiu que o próximo certame será revisado por ele, a meu ver o descontentamento do presidente é ínfimo comparando com o procedimento do ministro da educação que em pronunciamento a nação transmitido por um conglomerado de rádio e televisão dia 3 que antecedia a primeira prova do vestibular saiu-se com essa maravilha que passo a descrever:

Desenvolvemos exaustivo trabalho para que amanhã dia 4 mais de 5 milhões de estudantes brasileiros pudessem assegurar seu futuro através de uma graduação acadêmica profissionalizante, estamos disponibilizando condições para que os surdos e as pessoas com deficiências auditivas possam usar a língua brasileira de sinais -LIBRAS sem nenhuma dificuldade.

O que e lamentável, inaceitável e incompreensível é que o ministro da educação não tem o mínimo conhecimento da politica de acessibilidade vigente no Brasil pertinente as garantias de direitos à pessoa com algum tipo de deficiência, que totalizam 46 milhões de pessoas (dados estatísticos do IBGE censo 2010).

O Brasil é signatário da convenção da ONU realizado na Espanha, o texto desse documento aprovado por 196 países foi ratificado na constituição federal brasileira com as seguintes determinações e devidas nomenclaturas, a manifestação correta ao contingente acima mencionado é Pessoa com deficiência visual, pessoa com deficiência intelectual, pessoa com deficiência auditiva, pessoa com deficiência física, muletante, cadeirante, autista, pessoa com síndrome de Down, deficiências sensoriais e múltiplas deficiências.

Qualquer forma de verbalização referente a esse seguimento oriundo de quem quer que seja, demonstra explicitamente tratar-se de ignorância, imbecilidade, irresponsabilidade, descompromisso e desrespeito. Lamentavelmente no centro-sul do país resistem dois movimentos adjetivados “Cultura surda e orgulho surdo”, em desfavor as determinações legais da ONU, impondo sua tradicional verbalização popularmente conhecida por surdo, a meu ver, trata-se de desobediência brutal a uma lei legalmente constituída.

Quando o Brasil for um país sério, procedimentos humilhantes e vergonhosos como este serão banidos do território brasileiro, mesmo que seja necessário o sangue dar no meio da canela, é a oficialização da desobediência cumulado com a máxima “tem lei que pega e lei que não pega”. É importante lembrar, o brasileiro que se propõe a essas desventuras posso apenas qualificá-lo como mau caráter.

Tenho certeza que serei criticado, sendo a maioria desses indivíduos desconhecedor da matéria. É facilmente perceptível apresentadores de televisão anunciarem e-mail, telefone, endereço e outros estão no rodapé do televisor, este gravíssimo ato de irresponsabilidade e impunidade exclui a informação de 6,5 milhões de pessoas exclusivamente com deficiência visual em virtude da deficiência não conseguem ler o anúncio declinado.

Outra aberração é a contumaz pratica criminosa da verbalização do tal portador de deficiência e portador de necessidades especiais. A título de informação um policial porta uma arma que pode ser dispensada por algum motivo a qualquer momento, quem porta uma necessidade especial pode ser uma gestante com 8 meses de gravidez, merecedora de atenção especial em todos os minutos do seu estado interessante ate o momento de dar a luz ao seu filho. Outro agravante terrível é a garantia a prioridade à pessoa com algum tipo de deficiência na rede bancaria brasileira, o desrespeito é diário, criminoso e impune.

É importante que o presidente eleito, em parceria com a primeira-dama tome providências severas para que a Lei Brasileira da Inclusão LBI nº 13.146/7 ano 2015 seja respeitada ao pé da letra, quando o ministério das comunicações deve punir exemplarmente os veículos de concessão pública que transgredirem essas normas e regras, pois massificam erroneamente o conteúdo da garantia de direitos e acessibilidade, desconstruindo, desinformando e deseducando 200 milhões de brasileiros.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em terça-feira, novembro 13th, 2018 às 8:39 am na(s) categoria(s) Crítica, Denúncia, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário