Não espere nada disso aí

Durante a propaganda eleitoral gratuita ouve-se verdadeiros achincalhes e deboches dignos de exóticos cômicos em sua atividade de gerar sorrisos aos expectadores, vejamos: Sou mulher, casada, mãe e avó, gestora publica, parlamentar, peço o seu voto para continuar trabalhando para você. Percebi que faltou o complemento da redundância do objeto declinado, (sou negra e quebradeira de coco). Acredito que estou sendo muito rigoroso pois a figura descrita acima é oriunda de outras bandas do estado.

Outro lero-lero sem nexo e desprovido da mais reles proposta, é protagonizada por um ex-policial oportunista de plantão: Nasci em um lugar muito pobre, no seio de pessoas humildes, com muita dificuldade consegui estudar, meu sonho era ser militar, após muita insistência consegui conquistar a realização do meu sonho, fui convidado pelo cel. fulano de tal e aceitei de imediato a missão que me foi confiada, desenvolvi excelente trabalho em combate a violência em Teresina, por isso peço seu voto para dar continuidade a esse projeto.

Ao ouvir esse papo furado lembrei-me de dois episódios protagonizados por esse matoeiro, quando estava a frente de uma operação oficial, espalhou aos quatro cantos do estado que estava sendo ameaçado de morte por marginais por entenderem a rigidez do tal oficial, após amealhar os votos que asseguraram sua vitória como deputado federal, esqueceu as promessas e compromissos assumidos na campanha, desonrou e abdicou de tudo, todo esse despautério tinha único objetivo, bajular tornando-se subserviente e capacho do governador Wellington Dias.

Em certa ocasião deparou-se com um pivete em desabalada carreira fugindo de perseguidores por ter cometido um delito, esse infeliz caiu em desgraça ao ser imobilizado pelas garras do impiedoso secretário, o atirando no chão de forma violenta, para demonstrar ser feroz e implacável justiceiro, colocou seu pé direito na cabeça do pequeno infrator apontando sua pistola, para a satisfação do seu ego, pousou por alguns minutos a fotógrafos, câmara de televisão e deixou-se filmar por milhares de celulares de transeuntes curiosos e perplexos por vil ato desumano.

É esse o tipo de candidato que pede humildemente o seu voto para prosseguir combatendo a violência no piauí. Tenho convicção que se o cômico Zé Trindade fosse vivo, diria a seguinte frase: “Esse e um torra louca, verdadeiro maré mansa da vida”.

Uma candidata a deputada federal pelo Rio de Janeiro de 85 anos com direito a 6 segundos de mídia na propaganda eleitoral gratuita, diz o seguinte: “Vote em mim pela última vez”. Em minha avaliação no texto paira uma dúvida cruel, quem morrerá primeiro? O candidato ou o eleitor? É com essas maravilhas e a enquete da Globo, o que você quer para o Brasil, que será renovado de forma extravagante os detentores de mandatos em todo o Brasil.

Quem viver verá o resultado da proclamação das urnas em 7 de outubro de 2018. Que viva eternamente o analfabetismo brasileiro como tambem os 40 milhões de analfas funcionais, culminando com 20 milhões de desempregados em verdadeira ociosidade no Brasil.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em segunda-feira, setembro 10th, 2018 às 6:23 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário