Missão cumprida

Pe. BrandtNo último dia 25 houvera em Arari-MA vastíssima solenidade alusiva ao centenário de nascimento do Pe. Clodomir Brandt e Silva, quando foram elencadas dezenas de edificações eminentemente educacionais, fato constatado de clarividência indubitável. A praça da matriz absolutamente tomada por professores, doutores, comunicadores, mestres, poetas, escritores, ex-alunos do Ginásio arariense e contemporâneos do internato que galgaram êxito em suas atividades profissionais, como também admiração e respeito pela sociedade através dos préstimos importantes dedicados a mesma.

Marcaram presença parte do contingente que foi a razão principal de 54 anos de sacrifício, suor, sangue e lágrima do mestre de saudosa memória, que funcionou como farol de grande luminosidade para tirar todos nós da obscuridade e da escuridão promovida pelo analfabetismo, falta de oportunidade, exclusão, anticidadania e outros, somente os que não quiseram sair do maramo não gozaram da vitoriosa caminhada que consagramos neste momento de muita felicidade, fortíssimas emoções, profunda saudade e vastíssimas recordações em nossos corações e em nossas mentes.

O evento foi animado pela Banda Musical do Exército Brasileiro executando maravilhosos dobrados. O momento mágico foi o desfile desses fabulosos músicos na Avenida Dr. João da Silva Lima com introdução do dobrado Barão do Rio Branco, simplesmente fantástico, arrepiante, deixando todos em estado de êxtase. Centenas de pessoas oriundas de todo o Brasil se acotovelavam em frente a igreja, solidarizando-se e confraternizando-se.

Na solenidade religiosa a igreja tornou-se pequena para comportar a multidão, o Pe. Raimundo França fez sua homilia fundamentando-a em toda trajetória de vida do homenageado, por algumas vezes em virtude de forte emoção interrompeu a celebração enquanto se compunha de descontrole emocional e emotivo, todos extremamente consternados naquele misto de alegria, referencia e saudade.

O Des. Cleones, presidente do Egrégio Tribunal de Justiça do Maranhão se pronunciou no ato religioso, como ex-aluno do internato, como tambem do ginásio arariense, promoveu reflexões referentes a rigidez e disciplina que fomos submetidos no período em que éramos submissos ao regime vigilante, extremamente ácido do nosso querido Leleco, apelido oferecido ao padre pelos alunos rebeldes e indisciplinados como o próprio orador se autointitulou mencionando alguns dos seus parceiros desobedientes, reconhecendo tambem que fomos merecedores de todo aquele processo rigoroso disciplinar submetidos a doutrina e hierarquia soberana de um totalitarismo selvagem para que fossemos os homens e mulheres que somos, profissionais liberais, servidores públicos com cargo de confiança e representatividade e demais funções de variadas atribuições laborais, cuja confirmação de todos esses fatos são visíveis, basta verificar dentre as personalidades presentes no evento.

Como parte das comemorações tivemos o descerramento da efígie localizada no memorial Pe. Brandt, onde se encontra o acervo literário, cultural, didático e bens materiais de imenso valor histórico como batina, sapatos, diversas indumentarias, cama, mesa e cadeira onde despachava, sendo todo esse acervo protegido à posteridade. Foram restaurados e plastificados centenas de exemplares de jornais, editados ao longo dos anos disponíveis à visitação. É Importante informar que o evento foi animado pela banda musical formada por atuais alunos do ginásio arariense.

A solenidade da Academia Arariense-Vitoriense de letras foi realizado no confortável auditório do ginásio arariense, quando foram diplomados poetas, professores, jornalistas, comunicadores, escritores e o ex-reitor da Universidade Estadual do Maranhão que por ser sobrinho do Pe. Brandt representou toda a família do ex-ocupante da cadeira 9 da AVL. No início dessa solenidade foi descerrada a segunda efígie do Pe. Brandt, e ao longo de todo o sábado (25) foram realizados outras manifestações em homenagem a magnitude da data.

Proposição do desembargador Cleones de Carvalho Cunha, junto aos membros do conselho do Egrégio Tribunal de Justiça do Maranhão foi outorgado a partir do dia 22 de novembro de 2017 o nome do Pe. Clodomir Brandt e Silva ao fórum de justiça de Arari, em justíssima homenagem ao abnegado e obstinado educador, que dedicou sua vida a garantir vida com abundância ao povo de Arari, fruto do seu amor e trabalho construído dia a dia.

Nesta pauta procurei evitar mencionar nomes, mas não poderia me furtar a silenciar referente alguns dos importantes mentores de toda essa maravilhosa festa, refiro-me ao médico Dr. Nerly Cutrim, incansável em todo processo, o Des. Cleones de Carvalho Cunha, a professora Marly Cutrim e tantos outros que de alguma forma contribuíram substancialmente para a realização deste momento histórico, único e inesquecível.

Declino ser o Pe. Brandt o-concur, dispensando comentário, qualquer homenagem que se possa imaginar é pouco pela grandiosidade da obra edificada que deixou como legado a seu povo. Verifica-se facilmente que a cidade de Arari e formada por cidadãos e cidadãs afáveis, amáveis, gentis, solidários, generosos e educados, portanto deixo apenas uma única frase como reconhecimento, “obrigado Pe. Brandt”.

Carlos Amorim DRT 2081/PI



Tags: ,
Este texto foi publicado em terça-feira, novembro 28th, 2017 às 2:12 am na(s) categoria(s) Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário