Maria Bonita e Lampião

O governador do Piauí Wellington Dias no dia de ontem comemorou seu aniversario de 56 anos na sede da AMA – Associação de Amigos dos Autistas, localizado em uma periferia de Teresina, absolutamente abandonada, esquecida e violada. A somatória de roubos, assaltos e furtos são constantes, mas o chefe do poder executivo do estado usou esse espaço para fazer media perante os membros associativos desta instituição com objetivos escusos e eleitoreiros de encampar 800 mil piauienses com algum tipo de deficiência, através dos veículos de comunicação conclamou aos convidados que oferecessem objetos como presentes para a entidade que vive em dificuldade em virtude da falta de apoio.

O governador tem adotado essa prática assistencialista para justificar sua omissão em um verdadeiro faz de contas, atribuindo a terceiros responsabilidades que são suas. A meu ver o nefasto e desolador procedimento traduz em um verdadeiro 1 7 1 pelo processo de vaselina invencível, peculiaridade do Wellington Dias em ludibriar, enganar e ganhar a todos com muito papo furado e conversa fiada, assumindo compromissos como promessas que o próprio jamais cumprirá, pois ao sair dos eventos é acometido de profunda amnesia.

A meu ver as instituições que trabalham com pessoas com algum tipo de deficiência necessitam urgentemente serem respeitadas em seus direitos legalmente constituídos, seria importante que as politicas públicas, e a politica de acessibilidade vigente no Brasil, fossem questões de estado, jamais trampolim para politico mentiroso tirar proveito da fome, miséria, ignorância e do analfabetismo de pessoas frágeis, indefesas e inocentes.

Fico com meus botões imaginando como um indivíduo com esse procedimento consegue colocar sua cabeça no travesseiro e dormir o sono dos anjos ou dos justos. posso considerar essas posturas a enviado de Lúcifer. É perceptível a degradação do processo de construção da inclusão e socialização da pessoa com algum tipo de deficiência no Piauí.

Estive em Brasília no gabinete do Paulo Paim, quando foi lançado o guia legal, vastíssimo arca boço jurídico que contempla a Lei 7.853 de 24 de outubro de 1989 regulamentada pelo decreto federal 3.298 de 1999. Em 2003 houve a criação da SEID – Secretaria Estadual para Inclusão das Pessoas com Deficiência, paraíso da primeira-dama que assumiu o cargo de coordenadora, na época até eu que não sou tão bobo fui ludibriado, enganado e desprestigiado, as 5 reuniões que participei debatendo com dezenas de outras pessoas o possível importante trabalho que o governo faria para a inclusão do contingente de pessoas com algum tipo de deficiência no seio da sociedade, o resultado temos agora, diante de nossos olhos, as mirabolantes propostas ocultadas de forma escusa a contemplar interesses, vaidades e ostentações, manipulada por um verdadeiro estelionato.

O adágio popular assegura: “De boas intenções o inferno está cheio”.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em terça-feira, março 6th, 2018 às 9:15 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário