jiló amargo e azedo

Após gigantesca avalanche de denúncia de fake news, propagada massificada e divulgada por veículos de comunicação, sendo de forma severa e rigorosa rechaçadas pelo presidente da república, em virtude da imprensa brasileira ter se notabilizado em confundir a sociedade emitindo e expressando suas ideias como se fossem fatos, fórmula nociva de exercício do jornalismo.

Vivemos na atualidade momento preocupante em decorrência do renascimento de brutal censura e mordaça aos profissionais comprometido com as liberdades democráticas que são os pilares legais asseverados do artigo 5º e incisos. Matérias são pautadas, mas só após submetidas ao crivo de um grupo de censores como produtor, redator, diretor e supervisor são autorizadas suas veiculações, as reuniões diárias para sugestão de pauta são verdadeiros antros de ideologias partidárias e de gêneros, quando cada um dos membros tem suas preferências, como fala o adágio popular “quem pode mais chora menos”, sendo o vencedor sempre quem tem poder e caneta bic cheia de tinta.

Com base nesse preâmbulo, como tambem profissional da comunicação, percebo diariamente a criminosa manifestação de formadores de opiniões nas concessões públicas de rádio e TV do Piauí, situação que incentiva a proliferação de canalhas, calhordas e imbecis, em sua maioria anônimos inveterados que usam telefones de emissoras para afirmar e confirmar o que não tem conhecimento.

Lembro-me de um boçal recentemente declinando na rádio Teresina FM, que o artigo 5º da Carta Magna brasileira não permite ao cidadão dizer tudo que quer, pois há limites impositivos para tudo, legalizando a censura e proibições a manifestação pública. Esse mau caráter deveria se instruir o mínimo possível e se informar do que trata as garantias de liberdades constitucionais, a realidade dos fatos prende-se exclusivamente a penalização judicial aos “excessos”, o brasileiro a partir de 5 de outubro de 1988 com a promulgação da constituição federal reconhecida de “cidadã” garante ao povo brasileiro fazer tudo que quiser, sendo as ilegalidades praticadas ou verbalizadas e penitenciadas pelo processo civil e penal.

As eleições municipais para 2020 já estão em pleno processo de campanha, na minha ótica extemporânea. O rádio e a televisão do Piauí ocupam 90% dos seus espaços travando verdadeiro bate-boca, quando os próprios comunicadores são assessores e propagandistas dos candidatos, todos brigando na tentativa de dar a maior visibilidade a seu pupilo, quanto mais tempo o nome do candidato for mencionado aumenta o valor do jabá que pode ir de 10 a 50 reais. Veja a excrescência a que chegou a imprensa do Piauí, existem casos lamentáveis com o objetivo de invisibilizar e excluir a informação correta e autentica que são embargadas por pretextos e evasivas, vejamos:

Semana passada eu estava no ar em uma emissora de rádio, contestando uma nova lei de 2019 que assegura ao autista garantia de empregabilidade a todos deste segmento. No meu comentário informei que tratava-se apenas de mais uma enganação, embuste, ludibriação e vilipendio a esse contingente, elenquei a LBI-Lei Brasileira da Inclusão nº 13.146-2015 que garante esses direitos, nesse momento o apresentador do programa interrompeu meu pensamento solicitando espaço para o repórter dar uma notícia urgentíssima e importantíssima, fui retirado do ar abruptamente e fiquei na expectativa de uma possível queda de um boeing 767 nas águas do Rio poti, ledo engano, o repórter entrou com a seguinte informação: “Não tenho todos os detalhes, mas aconteceu agora um desastre envolvendo um ônibus e uma moto, a moto está sob o pneu do ônibus, o motoqueiro teve suas pernas atingidas gravemente, mas está consciente, está se comunicando”, fechou a importantíssima externa acrescentando que voltaria com novas informações.

Não sei se as pessoas têm conhecimento da quantidade de acidentes envolvendo motocicletas que ocorrem diariamente em Teresina. Em uma entrevista concedida por um dos diretores do HUT, foi revelado que 80% dos pacientes são vítimas de acidentes de veículos de duas rodas, portanto não entendo, não reconheço e não aprovo que aquela intervenção em minha manifestação merecesse urgência como foi mencionado, acidente de moto em Teresina é corriqueiro, recorrente e habitual por uma série de fatos e atos que não merecem consideração.

Esses são os verdadeiros papos furado, lero-lero, conversa de malandro para delegado que sustentam a má-fé empurrada garganta a baixo do gado novo, gado velho e gado doente dos teresinenses e piauienses. É compreensível esses aspectos em virtude da existência de 40 milhões de analfabetos funcionais no Brasil e 400 mil indivíduos no Piauí, vegetando com R$ 89,00 mensais, com um barulho desses é justificável a inconsistência do resultado das urnas eletrônicas no pleito eleitoral.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em segunda-feira, setembro 2nd, 2019 às 9:12 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário