Gente mentirosa

Dia 15 de janeiro de 2019 o presidente da República Federativa do Brasil Jair Messias Bolsonaro, assinou o decreto que flexibiliza a posse de arma de fogo aos brasileiros que preencherem os requisitos contido no texto da lei. Está cumprido um dos compromissos do presidente assumido com 57.797.847 eleitores que sufragaram o número 17 na urna eletrônica no processo eleitoral.

Esse ato foi pauta de matérias jornalísticas em todos os veículos de comunicação do planeta terra, manifestações favoráveis e contrárias, comentários tendenciosos e maldosos por parte de antagonistas, como também, efusivos elogios e aplausos dos que se sentem seguros e seus familiares pela oportunidade de defender a inviolabilidade sagrada do lar do cidadão honrado e de bem.

Imaginemos uma madrugada chuvosa, o dono ou a dona de casa despertado por barulho no telhado, quando um marginal destelhando o teto com objetivo de cometer algum tipo de delito, indubitavelmente a vítima para se defender usará a arma disponível detonando o recalcitrante, em seguida aciona o IML para remover o cadáver do telhado. Estou exemplificando de forma drástica a importância da autodefesa garantida ao cidadão com base no decreto recém-criado.

O lamentável sobre todos os aspectos é a irresponsabilidade da imprensa tendenciosa, mentirosa, enganadora e prejudicial que cria proselitismos invejáveis a pacificadores de mesa de bar manipulando a seu bel prazer a redação do decreto que é explícito em asseverar que habilitação para compra de arma somente após rigoroso pente fino da vida pregressa de cada solicitante, os que forem envolvidos em qualquer tipo de ilicitude terá repudiada o seu pedido, portanto cai por terra o discurso dos fanáticos derrotados das eleições passadas que argumentam o incentivo do decreto ao feminicídio.

É evidente que o ser humano é complexo, a garantia da posse de arma de fogo mantida no domicílio familiar dos brasileiros não estende ao porte de arma, portanto se alguém descumprir as normas determinadas será punido na forma da lei. É incompreensível a possibilidade de haver um agente do estado em cada domicílio fiscalizando o cumprimento das determinações legais.

Ouvi na madrugada de terça-feira um casal de imbecil em uma rede de rádio criticando a possibilidade da existência de 4 armas, uma para cada cômodo da residência, o que relato nesta pauta é a irresponsabilidade propagada, massificada e divulgada para o Brasil de forma mentirosa e tendenciosa. O número de armas mencionadas acima refere-se ao fato de uma para cada imóvel do cidadão. Percebe-se facilmente que esse tema ocupará espaço durante muito tempo na mídia brasileira.

O lamentável e profundamente deprimente refere-se a concessão pública rádio Antares, ZY921-800 sob responsabilidade da Fundação Antares pertencente ao governo do estado do Piauí, não mencionou uma única vírgula referente a todos os questionamentos, inquietação e dúvidas gerados por diferentes pensamentos, o pronunciamento do presidente não foi registrado, as manifestações dos ministros, principalmente do Sérgio Moro foram ignorados de forma brutal, fato na minha concepção merecedor de severa penalidade.

O programa Antares Notícias, primeira edição de quarta-feira(16), veiculado de 6 as 7 da manhã, houve um editorial produzido por profissional absolutamente desconexo, desatualizado e desprovido de ética profissional, destilando mortal veneno demonstrando o desejo do quanto pior melhor, típico dos petistas derrotados, fracassados e futuramente desempregados. Tenho convicção que esses procedimentos no governo Bolsonaro serão defenestrados e banidos do território brasileiro.

Carlos Amorim DRT 2081



Tags:
Este texto foi publicado em quinta-feira, janeiro 17th, 2019 às 9:17 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário