Freio de avião na lona

Axioma no significado Deus e perfeito, muitas pessoas, muitos de nós somos deficientes para conter um mau caráter, é o freio inibitório (Veja o Marcos Valério, tão inteligente, bem que podia ter uma deficiência).

Eu imaginava que esse crime verbal eivado de ódio, preconceito, discriminação e exclusão havia morrido, enterrado em um buraco profundo e fechado por concreto armado, ledo engano, está muito vivo, vivíssimo, transitando livremente entre a sociedade e principalmente dentro dos veículos de comunicação comandado de forma soberana por bandidos e bandidas cuspidores de microfones.

Sábado (2) um programa de rádio adjetivado de debate com tradicionais participações de um advogado, um coronel de polícia da reserva remunerada e o ex-tudo do Piauí Freitas Neto, cujo programa ancorado por um reacionário inveterado. Por telefone fiz intervenção e direcionei minha pergunta ao ex governador com o seguinte teor: Sou detentor da patente prato e talher adaptado a deficiente visual, outras deficiências e demais consumidores, a primeira concedida ao estado do Piauí pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial/INPI, fato preocupante em virtude que este estado tem índice populacional de 3.200 milhões de habitantes, sendo essa discrepante posição, motivo de angustia por parte do governador Wellington Dias, que está investindo forte no segmento de ciência, tecnologia e inovações, com objetivo de assegurar e valorizar a criatividade do piauiense. Conclui meu pensamento solicitando que declinasse qual sua atuação no campo tecnológico, importantíssimo para o desenvolvimento da nossa nação e de outros países.

O apresentador do programa imbuído de defender seus interesses escusos e torpes, conclamou de forma convocativa ao ex governador para que se detivesse ao assunto trazido pelo advogado que tratava-se da pseudorreforma politica, referente a votação de dotação orçamentaria de 3 bilhões e meio para a compra de voto nas eleições 2018, foram 15 minutos remoendo incansavelmente.

Um ouvinte de prenome Geraldo, participou referindo-se a proposta de redução da máquina administrativa, reforma eleitoral e redução dos partidos que o ex-governador defende de forma incisiva. O convidado especial se deteve por 10 minutos contestando e desconstruindo o pensamento do ouvinte. As 10h30 quando fazia suas considerações finais, pois teria compromisso inadiável aprazado o telefone tocou, foi anunciado tratar-se de um certo doutor, contemplado com 8 minutos de explicação a inquietação do privilegiado interferente.

Com a retomada do programa percebi que todos no estúdio sofriam de amnesia profunda, ou uma patologia invisível abstrata que define o senso das pessoas que pode ser positivo ou negativo. Me pairou também o processo de cumplicidade de todos para com a falha grotesca do ex-governador que nada fez referente ao quesito questionado, talvez sequer seus governos tiveram a pasta de ciência e tecnologia na capital e no estado, mas é plausível e compreensível com base em adagio popular: Ninguém sabe tudo, ninguém pode fazer tudo e ninguém pode ser responsabilizado pelo que não conhece.

Há mais de 2 meses em um programa de rádio FM duas irresponsáveis, descompromissadas e desqualificadas me submeteram a inominável constrangimento público, com acusação, calúnia e ataque a minha honorabilidade. Ao tomar conhecimento do vergonhoso episódio solicitei direito de resposta, a diretoria da emissora através de ofício administrativo a autorização foi concedida com o mesmo tempo das ofensas a mim dirigidas.

Por incrível que pareça a radialista Cinthia Lages, desobedeceu determinação dos seus superiores proibindo minha manifestação, não consegui sequer 3 minutos do tempo determinado de 12, fui expulso do estúdio de forma deprimente, vexatória e desrespeitosa. Em respeito a boa convivência que mantenho com todos os diretores da empresa essa figura repugnante ficou palitando dentes e de cara para cima. Meu lenitivo e que no próximo pente fino ela seja arrastada para o olho da rua como um simples piolho que povoa cabeças imundas.

Há 4 anos estive em Brasília, em um evento na secretaria dos direitos humanos da presidência da república, que promoveu mídia referente ao projeto da presidenta Dilma, “Viver sem limite”, trouxe algumas centenas de exemplares para Teresina para divulgação nos meios de comunicação local, por tratar-se de utilidade pública, fiz contato com Bartolomeu Almeida, funcionário da rádio Teresina FM para divulgação do projeto, foi acordado entrevista para uma segunda-feira.

Lembro-me que estava em São Luis/MA, quando o radialista Bartolomeu Almeida me ligou para confirmar minha presença, a agenda foi confirmada, no horário aprazado adentrei ao estúdio auxiliado pela recepcionista, ao saudar os presentes percebi algo estranho no ar, se quer me ofereceram local para me acomodar, para minha surpresa o Bartolomeu Almeida me disse: Carlos você precisa falar com a produtora.

Antes de qualquer reação a senhora Isabel Piauilino pegou no meu braço e me retirou do estúdio tentando explicar o inexplicável, argumentando haver proibição a minha entrevista pela diretoria da rádio, em virtude que eu sou ouvinte e participante da emissora o ato abriria precedente a outros pleitearem o mesmo. percebendo a ignorância brutal da profissional a vastíssima legislação vigente no Brasil pertinente as garantias de direitos a pessoa com deficiência, declinei algumas leis e seus respectivos artigos que me asseguravam aquela proposição.

Citei a Lei 10.098/2000 artigos 24º e 26º identificando com facilidade que o esforço para convencê-la seria inútil em decorrência da ausencia da essência necessária para que a produtora conseguisse reconhecer a diferença entre uma semente de fumo e um elefante, minha reação foi desistir, me despedi e fui a vida, não desenganado nem tão pouco desiludido, mas decepcionado com a indigna postura d e uma subserviência brutal (Se o caso assim exige).

Projeto de programa de rádio educativo, apoiado pelo excelentíssimo deputado estadual José Pessoa Leal, aprovado pelo presidente da Fundação Antares jornalista Humberto Coelho, direcionado a diretora de rádio popularmente conhecida por Mel, foi reformulado, sendo os apresentadores Carlos Amorim TRT 2081 e outra radialista profissional trocados a revelia do projeto, o objeto das pautas vilipendiados, ou seja, houve uma verdadeira mutilação da proposta apoiada pela SEID na pessoa do secretário Mauro Eduardo, APAE, AMA, Associação dos Cegos e outras, resultado, o programa foi apresentado por profissionais estranhos ao objeto da pauta, tornando-se verdadeira ação natimorta, como prova cabal ficou pouquíssimo tempo no ar.

Não sei quanto tempo as 850 mil pessoas com algum tipo de deficiência no Piauí (dados estatísticos do IBGE Censo 2010) serão respeitadas e reconhecidas como pessoas capazes, produtivas e inteligentes que podem viver da força do seu trabalho com sacrifício do suor do seu próprio rosto.

É importante frisar, informar que a rádio Antares AM é uma concessão pública pertencente ao governo do estado do Piauí, sendo a primeira-dama Rejane Dias, deputada federal e secretaria de educação do estado, que indubitavelmente conseguiu assegurar a honrosa classificação de referência de política de acessibilidade perante o Brasil. temos a lamentar as contradições e interferências prejudiciais dessa importante causa.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em segunda-feira, setembro 4th, 2017 às 10:30 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário