Fonte de vida ameaçada de extinção

8 de março, mais uma data comemorativa ao dia internacional da mulher, o tempo passa, o tempo voa e a poupança Bamerindus nem existe mais, e tudo continua na mesmice tal qual como dantes no quartel de Abrantes. A mulher continua sendo violentada, violada, agredida, estuprada, espancada e assassinada aos borbotões.

A mortandade de mulheres supera todas as expectativas de pesquisas das especializadas entidades de combate ao feminicídio, a meu ver a própria mulher tira proveito da generalizada matança da fonte geradora de vida, as oportunistas de plantão travestidas de autoridades representantes de instituições que se autointitulam protetoras do gênero feminino, de forma criminosa usam esse diapasão com objetivos escusos de ganhar dinheiro fácil, embora manchado de sangue conseguem obter visibilidade em veículos de comunicações se notabilizando como tutora dessas desprotegidas mulheres ao criarem aparatos inúteis, sendo premiadas e reconhecidas como geniais fabricantes de cocada preta da enganação, enquanto isso as mulheres estão sendo mortas sem dó nem piedade, o poder judiciário in lóquo, impotente, incapaz de prolatar sentenças exemplares a esses canalhas assassinos contemplados com a impunidade do estado brasileiro.

As tais medidas protetivas são apenas sentença de mortes imputadas a mulher que ousa denunciar maus tratos provenientes de amantes, ficantes, namorados e outros, a famigerada lei Maria da Penha incentiva a mulher reagir ao mínimo puxão de cabelo removido de quem quer que seja, mas o exercício de cidadania e dignidade da mulher não é respeitado nem tao pouco protegido pelo estado brasileiro abandonando a mulher a sua própria sorte, de posse de um BO fica a mercê de revanchismo, surto de ódio e arroubo do autor denunciado.

O que posso prever dessa miscelânea de descompromisso é uma próxima vítima em busca de uma humilhante cova rasa em uma distante periferia da nossa província. Por força da minha atividade profissional presencio diariamente bravatas, proselitismos, mentiras, ilusionismos, incentivos e induções promovidos em palestras, entrevistas, debates, seminários, encontros e congressos, quando feministas profissionais deturpam e desconstroem a família ao asseverarem que a mulher empoderada tem o sagrado direito a prática de putaria, drogadição, frequência permanentemente de bar em bar, motel em motel abandonando filhos, marido e lar pela liberdade, independente e soberania conquistada com a emancipação cujas garantias legais não admitem a mulher adjetivada de Amélia, obra do compositor Ataulfo Alves, e cai por terra com os movimentos de novos conceitos protagonizados por ONGs e organizações de mulheres que só garantem direitos, os deveres são deixados a uma quinta classificação, quando a mulher está proibida de lavar, passar, cozinhar, higienizar seu lar e cuidar do marido.

Recentemente redes nacionais de rádio televisão, jornais, portais e internet massificaram terrível episódio ocorrido com uma mulher de classe média alta, bem-sucedida, independente e produtiva, em um bate papo na internet que durou 8 meses o indivíduo antissocial e criminoso foi introduzido no confortável apartamento dessa descuidada vítima, o resultado desse pioneiro encontro o mundo conhece. Essa infeliz mulher ficou mais quebrada que arroz de terceira simplesmente pelo tresloucado ato de colocar em sua cama um indivíduo que não sabia quem diabo era.

Minha consciência autoriza que eu classifique a inconsequência dessa mulher como sendo irresponsabilidade, mas tenho certeza que milhares de feministas rechaçarão minha afirmativa com o velho, cansado, ultrapassado, vencido e obsoleto mote “o misógino e machista costuma acusar a mulher como responsável pela agressão sofrida”. Essa jurisprudência defensiva não me atinge em nenhum dos artigos e incisos que se possa imaginar.

Sou absolutamente contrário a qualquer tipo de violência em desfavor da mulher, advogo a pena capital ao homem que cometa feminicídio, lamentavelmente tenho convicção de malhar em ferro frio, pois as cláusulas pétreas da constituição brasileira impede essa sentença exemplar aos covardes matadores de mulheres, portanto, olho no lance

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em sexta-feira, março 8th, 2019 às 8:08 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário