Feijão branco e pacu assado a lenha

Tomei conhecimento através da imprensa a manifestação do advogado Joaquim Santana, presidente da comissão da pessoa com deficiência da OAB-PI convocando 850 mil pessoas com deficiência no estado e 220 mil indivíduos em Teresina, para comparecerem a solenidade que será realizada sábado (14) na sede recreativa dos advogados do Piauí, distante quilômetros do centro da cidade. Será que o nobre advogado garantirá o transporte desses bois de piranhas com algum tipo de deficiência espalhados em longínquos guetos e muquifos, onde residem o proletariado excluído e abandonado?

O grande mote do evento refere-se a expedição de carteira de trabalho, passe livre, RG, palestras com o objetivo de vender gato por lebre, contemplando apaniguados do Ministério Público SEID, oportunistas da Rejane Dias e os membros associativos do sindicato dos bajuladores do governo do Piauí. Não compreendo qual vantagem essa solenidade oferece de forma positiva, em virtude que é mais prático solicitar os documentos oferecidos nessa reunião em instituições legalmente constituídas para tal em dias úteis de segunda a sexta-feira

Por não entender por questões próprias e óbvias a convocação do advogado, faço alguns questionamentos para a sua reflexão: Qual motivo a coordenadora do Centro Operacional de Defesa da Pessoa com Deficiência, Marlúcia Gomes Evaristo de Almeida, deu parecer proibitivo a instalação de sinais sonoros ao longo da Avenida Frei Serafim? Ato brutal, vergonhoso e humilhante afrontando a Lei Federal 10.098, artigo 9º/2000.

A pergunta que não quer calar: Qual tipo de fiscalização foi realizada ao cumprimento do Decreto Federal 5.296/2004 que assegurou o prazo de 10 anos para que a frota do transporte público estivesse toda equipada com rampas de acesso a cadeirantes? Prazo inspirado em 2014, após 5 anos para o cumprimento da exigência, pergunto ao prestigioso advogado: Quantas unidades estão cumprindo essa determinação?

O processo a formação de barreiras arquitetônicas é nítido e visível a qualquer ser humano, inclusive os cegos mentais e morais que tiram proveito da mazela, ignorância, analfabetismo, miséria e fome da comunidade de pessoas com deficiência, cujas vitimas não percebem calçadas ocupadas por estacionamentos de veículos, vias públicas eivadas de crateras, buracos, aclives e declives culminando com placas, painéis, toldos, rampas e rebaixamentos de guia absolutamente fora do padrão determinado pela ABNT.

Sinal sonoro em frente ao Shopping Riversid com tempo ínfimo de 5 segundos, insuficiente para transpor uma unica via, com parada obrigatória no canteiro, inacessível para aguardar transpor a segunda via de rotatividade de veículos, e para contemplar a tragédia urbana dessa província, a falta de educação do povo maledicente e excludente que desobedecem impunemente normas e regras com vastíssimo arcabouço jurídico da política de acessibilidade.

Acredito que a solução para todos esses problemas é o famoso faz de contas para enganar e ludibriar o desinformado, fazendo como pano de fundo o exacerbado proselitismo politiqueiro. Enquanto esse tipo de procedimento perdurar, o coitadinho do ceguinho com a cuia na mão estará fadado a banca rota e a invisibilidade por parte dos espertalhões, mercantilistas, venais e mentirosos desse processo. Parabéns pela promoção do happy hour matutino.
Carlos Amorim DRT 2081.



Este texto foi publicado em quarta-feira, setembro 11th, 2019 às 10:28 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário