Feijão branco e pacu assado a lenha

Tomei conhecimento através da imprensa a manifestação do advogado Joaquim Santana, presidente da comissão da pessoa com deficiência da OAB-PI convocando 850 mil pessoas com deficiência no estado e 220 mil indivíduos em Teresina, para comparecerem a solenidade que será realizada sábado (14) na sede recreativa dos advogados do Piauí, distante quilômetros do centro da cidade. Será que o nobre advogado garantirá o transporte desses bois de piranhas com algum tipo de deficiência espalhados em longínquos guetos e muquifos, onde residem o proletariado excluído e abandonado?

O grande mote do evento refere-se a expedição de carteira de trabalho, passe livre, RG, palestras com o objetivo de vender gato por lebre, contemplando apaniguados do Ministério Público SEID, oportunistas da Rejane Dias e os membros associativos do sindicato dos bajuladores do governo do Piauí. Não compreendo qual vantagem essa solenidade oferece de forma positiva, em virtude que é mais prático solicitar os documentos oferecidos nessa reunião em instituições legalmente constituídas para tal em dias úteis de segunda a sexta-feira

Por não entender por questões próprias e óbvias a convocação do advogado, faço alguns questionamentos para a sua reflexão: Qual motivo a coordenadora do Centro Operacional de Defesa da Pessoa com Deficiência, Marlúcia Gomes Evaristo de Almeida, deu parecer proibitivo a instalação de sinais sonoros ao longo da Avenida Frei Serafim? Ato brutal, vergonhoso e humilhante afrontando a Lei Federal 10.098, artigo 9º/2000.

A pergunta que não quer calar: Qual tipo de fiscalização foi realizada ao cumprimento do Decreto Federal 5.296/2004 que assegurou o prazo de 10 anos para que a frota do transporte público estivesse toda equipada com rampas de acesso a cadeirantes? Prazo inspirado em 2014, após 5 anos para o cumprimento da exigência, pergunto ao prestigioso advogado: Quantas unidades estão cumprindo essa determinação?

O processo a formação de barreiras arquitetônicas é nítido e visível a qualquer ser humano, inclusive os cegos mentais e morais que tiram proveito da mazela, ignorância, analfabetismo, miséria e fome da comunidade de pessoas com deficiência, cujas vitimas não percebem calçadas ocupadas por estacionamentos de veículos, vias públicas eivadas de crateras, buracos, aclives e declives culminando com placas, painéis, toldos, rampas e rebaixamentos de guia absolutamente fora do padrão determinado pela ABNT.

Sinal sonoro em frente ao Shopping Riversid com tempo ínfimo de 5 segundos, insuficiente para transpor uma unica via, com parada obrigatória no canteiro, inacessível para aguardar transpor a segunda via de rotatividade de veículos, e para contemplar a tragédia urbana dessa província, a falta de educação do povo maledicente e excludente que desobedecem impunemente normas e regras com vastíssimo arcabouço jurídico da política de acessibilidade.

Acredito que a solução para todos esses problemas é o famoso faz de contas para enganar e ludibriar o desinformado, fazendo como pano de fundo o exacerbado proselitismo politiqueiro. Enquanto esse tipo de procedimento perdurar, o coitadinho do ceguinho com a cuia na mão estará fadado a banca rota e a invisibilidade por parte dos espertalhões, mercantilistas, venais e mentirosos desse processo. Parabéns pela promoção do happy hour matutino.
Carlos Amorim DRT 2081.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *