Farsa e comunicação

A sociedade consumidora das informações jornalísticas veiculadas pelos jornais, televisões, rádios e revistas está longe de imaginar o que acontece nos bastidores. Qualquer produção jornalística obedece a rígidas determinações de quem controla o veículo. Se algum profissional da área, zeloso, criterioso íntegro, imparcial que procure desenvolver uma atuação honesta e digna estará fora do mercado de trabalho.

São dezenas de jornalistas concorrendo entre si, tentando uma assessoria de comunicação de qualquer que seja o órgão, é aquele salve-se quem puder. Neste contexto nada recomendável perante o cidadão ou cidadã que consiga pensar o mínimo possível percebe facilmente que se trata de um segmento mercantilista e venal, onde o juramento profissional feito no momento da consolidação acadêmica perde sua razão de existir, pois terá de cair em campo para sobreviver enfrentado uma verdadeira guerra fraticida, e se formos a drasticidade será antropofágica. O consumidor de comunicação do Piauí não imagina as vultosas cifras despendidas para alterar a veracidade dos fatos, por exemplo, colocar quem está em cima, em baixo e vice-versa, edificar cintuosos palácios de areia, transformar o incauto em autentico defensor de uma causa ficando a favor ou contra.

O nível de maledicência dos retrógrados profissionais que militaram na comunicação é de uma subserviência a toda prova demonstrando nitidamente suas conveniências todas tendenciosas apontando para o leilão de quem dá mais, como eles usam o pré nome de ex, procuram coagir os de reduzido conhecimento para impor suas idéias com requinte de saudosismo do período de exceção que o Brasil viveu por 20 aos.

São velhos reacionários que insistem em não vestirem o pijama não esquecendo o acessório complementar (a touca). Se fizermos uma avaliação a grosso modo da contribuição que esses atuais ex deram para o desenvolvimento dessa região e do Brasil foram praticamente nada somado à cota de contribuição oferecida hoje não significa nada.

Existe um comentarista muito conhecido de todos nós, ex tudo que teve a indignidade de declarar em um veículo de grande audiência que quando ele atuava, as informações passadas eram inventadas. Em uma situação dessas é difícil a mais imbecilizada pessoa descobrir qual tipo de contribuição que esse elemento oferece a sociedade. Atualmente presta um desserviço ao divulgar uma tabela de compra e venda de votos desmoralizando o processo eleitoral vigente do Brasil e desestabilizando o processo democrático brasileiro.

Tento aqui demonstrar as pessoas que existe no Piauí um grupo em extinção que consegue pensar não se deixando levar pelas manipulações que tentam nos empurrar garganta a baixo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *