Duas tentativas e dez quedas

Fábio Abreu, policial militar da reserva remunerada acumulando os cargos de deputado federal e secretário de segurança do Piauí. Deparei-me com essa autoridade no dia de ontem concedendo entrevista aos jornalistas Bartolomeu Almeida e Domingos Bezerra, rádio Teresina FM. A manifestação do entrevistado discorria em inútil tentativa de justificar seu voto em favor da permanência da presidenta Dilma no poder, declarou ter sido um ato consciente de muito compromisso com o Brasil, especialmente o povo do Piauí.

Após bravatear sobre suas convicções, conseguiu estarrecer os ouvintes da emissora com o seguinte, proselitismo. Vejamos: –Avaliei todo processo de admissibilidade do pedido de impeachment a ser votado pela Câmara Federal, não encontrei nenhum motivo que justifique o afastamento da presidenta Dilma, ela não cometeu crime algum, este foi o motivo para a definição do meu voto.

O entrevistado mente em duas situações, primeiro essa estória de consciência é simples descarada bravata, pois estava a serviço do governador do Piauí Wellington Dias. Por não confiar no suplente Silas Freire, determinou ao deputado Fábio Abreu que renunciasse a secretaria de segurança e retomasse  sua cadeira de deputado federal como titular que o é, o resto todo o Brasil acompanhou a tragédia dos apaniguados da presidenta e do PT do Piauí.

O deputado cumpriu com fidelidade de um cão obediente a imposição de seu comandante, enxovalhando sua reputação e decepcionando de forma mortal seu eleitorado que angustiado busca lenitivo como justificativa a tragédia moral, amparada no adágio popular que diz: “Quem quiser saber o valor de um homem lhe dê poder”.  Todos têm o seu preço, uns mais outros menos e alguns a preço de banana em tabuleiro no mercado da piçarra.

A segunda mentira, esta vergonhosa, humilhante, descabida, terrível e gravíssima, refiro-me ao fato da infeliz declaração do deputado em afirmar peremptoriamente não ter encontrado juridicamente nada que tipificasse crime no processo de admissibilidade do impeachment. Presenciamos o notório saber jurídico do deputado demonstrando ser expert, especialista no conhecimento do direito, PhD. oriundo das mais destacadas universidades do mundo, jurista irretocável, incontestável e inquestionável, pois com suas audaciosas afirmativas desmoraliza a mais alta corte de justiça do Brasil, o Supremo Tribunal Federal, que assegurou provimento legal e constitucional ao processo de impeachment avaliado pelos seus 11 ministros.

Tenho convicção que o nobre deputado nunca, jamais sequer olhou de longe o bojo do processo que ele diz ter avaliado minuciosamente. Fiel como um cão, com este ato conseguiu permanecer à frente da secretaria de segurança, embora esteja mais perdido que cego e tiroteio. Lamentavelmente somos obrigados a reconhecer que o povo do Piauí formado pelo gado novo, gado velho e gado doente vota mal, vota péssimo, ao desvalorizar o ato cívico do exercício do voto, quando deveria escolher seus representantes com independência, soberania, responsabilidade e liberdade, mas abdica desse objeto recebendo em troca pelo sufrágio, insignificante quinquilharia, se autotransformando em constante vitima de estelionatos eleitorais como ocorre no fato em baila.

Quando o futuro for presente, indubitavelmente o secretário se transferirá definitivamente para Brasília, oxalá que fique por lá e não retorne jamais.  A fábrica de espertalhões buscando cargos eletivos continua a todo vapor, acredito piamente que a carreira política do capacho do Wellington Dias chegou ao final com seu sonoro NÃO proclamado no último dia 17 do corrente mês na câmara alto do país em Brasília-DF.



Tags: , ,
Este texto foi publicado em sexta-feira, abril 29th, 2016 às 9:11 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário