Constituição cidadã de 1988

Contactei um advogado para ajuizar uma ação cível, antes que eu formasse o objeto da ação fui informado  que a meritíssima juíza titular do juizado centro localizado a Rua Mato Grosso nº 210 dificilmente concede indenização pleiteada pelo demandante, mesmo sendo os termos probantes inquestionáveis e irrefutáveis não teriam exito perante  a decisão do julgamento dessa servidora pública descompromissada. 

Ao ouvir o abalizado relatório do advogado questionei a omissão da OAB secção-PI, como também, a responsabilidade do Egrégio Tribunal de Justiça do Piauí, portando-se de maneira inequívoca, cego, surdo, mudo e doido, ações desmoralizadoras ao contribuinte em busca de justiça. Tenho convicção  que com a vigência da lei de abuso de autoridade esse tipo de postura indecorosa protagonizada por julgadores desequilibrados e desonestos, tenha chegado a sua etapa final, com o agravante, que as corregedorias não poderão desenvolverem o tradicional corporativismo imundo e inconsequente, em virtude de sofrerem pesadas penalidades pelas ignomínias praticadas, embora tenhamos uma imprensa caquética, comprometida, tendenciosa, vagabunda e humilhante, imagino que os cuspidores de microfones sensacionalistas explorarão essas denuncias de forma cavalar, não com o objetivo de praticarem o bom jornalismo, mas para tirarem proveito de alguns míseros reais como jaba, cala boca e mordaça para que cessem a massificação, divulgação e propagação desse tipo de escândalo por não haver punição severa e exemplar.
Imagino o que era essa justiça em tempos idos, absoluta e incontida, posso afirmar que fizeram desgraça imaginando serem verdadeiros deuses nessa terra de índios, caboclos, analfabetos e famintos, graça a Deus que foi institucionalizado algumas amarras funcionando como palmatória ao poder judiciário, me refiro ao Conselho Nacional de Justiça e do MP que as duras custas conseguem ao menos receberem  milhares de denuncias todos os dias.
Reconheço a importância do dente por dente, olho por olho, justiça pelas próprias mãos,  sendo as vias de fato a mediadora para conflito de briga de foice no escuro ou facão amolado em mãos de gladiadores e sangue sangue dando no meio da canela. Para culminar com a violência do tempo das cavernas modernizemos em 2020 com uso de metralhadora, fuzis e pistola cuspindo fogo aleatoriamente por todos os lados. Viva a avacalhada democracia brasileira.
Carlos Amorim DRT 2081

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *