Comunicadores avariados no Piauí

Olha o axioma no significado da palavra Deus é perfeito, algumas pessoas, muitos de nós temos deficiências, o que não é nada mais nada menos do que um freio inibitório para conter a evolução de um mau caráter, olha o Marcos Valério, tão inteligente, bem que podia ter uma deficiência”.

Tradução dessa inominável boçalidade: A senhora Rogéria Rodrigues, primeira mulher deficiente visual com mestrado em pedagogia, ministra aulas na Universidade Estadual do Piauí, no conceito do decrépito Joel Silva, a deficiência foi quem livrou essa senhora de ter se transformado em uma Georgina, ladra confesso de milhões do INSS.

Costumeiramente para fortalecer sua hipocrisia ancora seus medíocres procedimentos nas seguintes frases de autoria de seu amigo Sancho:

- O preço da liberdade é a eterna vigilância

- Ah, doce mistério da vida!

- O mundo é maravilhoso apesar dos pesares

Tais frases acobertam suas maledicências perante a opinião pública, que absorve de forma ingênua esses motes eivados de quíntuplos sentidos, recheados de ódio e injurias acalentados no seu coração na tentativa de justificar o injustificável.

Seu instinto perverso, totalitário, egoísta, ambicioso e individualista de dar vasão a tendenciosa pauta prefaciada relativo ao crime hediondo de agentes da Polícia Militar, quando em uma tresloucada ação assassinaram a tiros uma criança de 9 anos de idade que estava no interior de um veículo acompanhada pelos pais e dois irmãos, pelo simples motivo de desobedecerem ordem de parada emitido pela guarnição. No auge do seu show de verborragia e sensacionalismo, bradou em alto tom que não deve ser admitido deficiente (não mencionou o tipo de deficiência dos policiais), declinando em seguida algumas atividades ao tempo em que promoveu criminosa desobediência a legislação, incentivando seus ouvintes a corroborarem a apoiarem a terrível afirmativa.

Ao ser rechaçado, sua justificativa a emenda ficou pior que o soneto, mudou abruptamente de assunto e saiu-se com essa maravilha da ciência moderna: “vamos ver a deficiência do povo Suíço”. Tenho convicção que fui suficientemente explícito para justificar a irresponsabilidade desse senil, ultrapassado, vencido, obsoleto, fatigado que não mais reúne condições de empunhar o microfone da emissora que lhe acomoda até sua fase pré-final.

Semana passada o Silas Freire, iniciou a apresentação do seu programa asseverando que se a televisão fosse sua não se esquivaria de veicular nenhuma notícia, referindo-se ao caso do João Carvalho, em seguida assegurou direito de resposta ao Renato Berger, que usou o espaço para se defender de uma matéria que lhe acusava de descompromisso a frente da sua pasta, mas concluiu dando um tiro no próprio pé, confirmando a autenticidade da denúncia ao informar que o abandono de quadras de esportes e outras entidades de sua responsabilidade não tem sequer um vigia, pois não há recurso financeiro para tal, sendo a guarda municipal impotente para atender a demanda reprimida.

O cadeirante apresentador de televisão Amadeu Campos, em alegre e descontraída interação com o Silas, disse que o irmão Gilvan, com deficiência visual e líder comunitário, fala muito porque e cego, é uma forma de compensação da ausencia da visão.

A Cinthia Lages, absoluta na empresa Meio Norte, desobedeceu de forma constrangedora, determinações de seus superiores hierárquico, que asseguraram direito de resposta com tempo de 10min ao senhor Carlos Amorim, foi desconsiderado pela rainha da cocada preta, adjetivada de outdoor do PT.

Rádio Globo, em rede nacional veiculou programa apresentado pelo radialista Roberto Canásio, agrediu criminosamente o presidente do Brasil Michel Temer, ao comentar pesquisa de 100% de sua aceitação popular, ou seja, subiu de 3 para 6, concluiu seu torpe pensamento com a seguinte frase: “Esse Temer é uma merda”. Ao solicitar seu operador as mensagens do WatsApp avisou, promova breve censura para evitar os excessos.

Verifico a presença de uma máxima:Faça o que eu mando, mas não faça o que eu faço”, desta feita verdadeiramente a impunidade assegura a permanência desse cuspidor de microfone há décadas desrespeitando autoridades e brasileiros

Uma apresentadora de televisão do Piauí ao entrevistar uma professora de língua brasileira de sinais declarou que sua maior vontade era aprender a falar em libras, percebe-se facilmente que a politica de acessibilidade nossa de cada dia vai de mal a pior.

Em uma das televisões das Arábias foi exibido um programa natalino com distribuição de presentes apoiado por imenso patrocínio de grandes empresas do estado, lembro-me que ao ser veiculado matéria promocional referente ao atendimento odontológico com duração de três meses, mencionaram por dezenas de vezes que o telefone das clínicas estavam expostos no vídeo do televisor.

No Brasil existem 6,5 milhões de pessoas exclusivamente com deficiência visual, dados do IBGE Censo 2010, imagino que esse contingente possui dentes, mesmo assim foram excluídos a informação. Lamentavelmente um projeto desse nível envolve centenas de pessoas, por incrível que pareça nenhuma cabeça iluminada observou o processo criminoso de exclusão naquele momento festivo.

E necessário que o estado brasileiro penalize severamente esses calhordas para que respeitem a vastíssima legislação brasileira pertinente as garantias de direito a pessoa com algum tipo de deficiência, ancorada na convenção da ONU realizada em Salamanca na Espanha, ratificada na Constituição Federal do Brasil, sendo todo seu arcabouço contido na Lei Brasileira da Inclusão de nº 13.146-7/ 2015.

É por essas e por outras que urge a necessidade premente da regulamentação das comunicações no país.

Com a palavra o acanhado ministério do seguimento.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em sexta-feira, dezembro 29th, 2017 às 9:17 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário