Comissão de frente do bafo da onça

Esta semana de homenagem a liberdade de imprensa é importantíssimo para a rádio Teresina FM 91,9, sendo grande oportunidade para que o senhor Deolindo Aguiar, detentor dessa concessão pública repense seus conceitos discriminatórios, preconceituosos, excludentes e acima de tudo, estúpido desrespeito ao processo democrático, como também, as garantias asseguradas pela Carta Magna promulgada em 05 de outubro de 1988 que garante igualdade a todos os brasileiros sem distinção de cor, idade, credo e situação socioeconômica financeira.

Sou vítima de ordens emanadas por esse senhor, quando seus empregados obedecendo caninamente as determinações criminosas, arbitrárias, ilegais e humilhantes incidindo em abusos inomináveis com pretexto de manter uma tal respeitabilidade assegurando o falso moralismo e os repetitivos proselitismos de contradição a exigência de expressões isentas de adjetivos, e uma outra mentira, assegurar atos de bandidos, ladrões e canalhas travestidos de querubins em entrevistas para ludibriar a opinião pública.

Ao longo de 14 anos como colaborador da programação dessa emissora, em meus comentários procuro informar aos incautos, ignorantes, inocentes e desprovidos o objeto do jornalismo de faz de “contas” levado ao ar todos os dias com raríssimas exceções, embora reconheço que os capachos obedecem rigorosamente o que lhe foi ordenado pela direção, são todos eles cúmplices entre si, é uma questão de sobrevivência para evitar um futuro crime famélico, quando alguém adjetiva quem quer que seja autor de crime, é obrigatório haver o ônus da prova para que a afirmativa não incida em crime de calúnia, difamação e injúria, fatos existentes comprovadamente através de áudios dos autores dessa ignomínia.

Quero deixar bem claro que tenho muito prazer em incomodar e desfazer os objetos nocivos propagado pelos veículos de comunicação, tenho conhecimento suficiente, vivencia, formação para contestar as estroinices de comércio midiático institucional como forma de garantir sustentação a mandatos eletivos, eternos amealhados com o erário oriundo do sofrido trabalhador através de escorchantes cargas de impostos. O meu pensamento não está disponível para censura e avaliação de nenhum cuspidor de microfone, exijo respeito ao mesmo.

Ainda no jardim de infância Lélia Avelino, minha professora Zaira Costa Araújo, esposa do médico Lineu Araújo, me presenteou com um folhetim, na capa a foto de um trem, um macaco com rabo estendido na linha férrea orientava os outros animais que o trem estava próximo e que eles não se atrevessem passar na frente da máquina a lenha (moral da história, o macaco perdeu seu rabo).

O Luciano Coelho rechaçou criticando severamente a relação nominal de postos de combustíveis pelo PROCON-MP-PI, para minha surpresa ele asseverou o obvio do obvio, direito a defesa, ao contraditório, a presunção da inocência, o devido processo legal e outros, essa mesma figura foi omissa, negligente, conivente e irresponsável, quando a Simone Castro, no auge da sua petulância, ousadia e estupidez me submeteu a imenso constrangimento público, quando aos gritos proclamou, (Carlos Amorim, vou tirar você do ar agora).

O que é mais estúpido é que a promoção dessa molecagem é proveniente de uma denúncia vazia, quando um indivíduo desqualificado e anônimo declinou: —Simone, ouvi certa vez você tirar alguém do ar que não cometeu nada demais. Até aí percebe-se que essa incompetente locutora de porta de mercado atua como censora permitindo ou não a manifestação das pessoas conforme sua vontade, o mais grave refere-se ao fato de que não conhecia o evento, ela não ouviu nada, passou em branco, poderia ter me tirado do ar, essa frase da Simone Castro, denota uma irresponsabilidade do mais alto grau, como pode censurar se não tem conhecimento do fato? Fica explícito o processo ditatorial que essa enganadora da opinião pública promove aos microfones da rádio Teresina FM 91,9.

O Bartolomeu Almeida, do alto da sua arrogância, intransigência, truculência e de forma debochada, disse que tinha um recadinho para mim, que sou persona non grata, não sendo mais permitido minha participação por ordem da direção da rádio que não aceita palavras agressivas,(mas o ditador esqueceu de informar o tipo da manifestação que lhe causou espécie). Esse mesmo indivíduo de forma humilhante denunciou no programa que ancora que os ministros do Brasil vem a Teresina, enchem o rabo de capote, galinha caipira e cajuína, vão embora e não deixam nada. Com o objetivo de aparecer de forma sensacionalista caluniou o cantor Eduardo Costa como sendo danadinho, transou com a mulher do prefeito que o contratou para um show. No quesito direitos humanos, tem um adjetivo muito lindo para ele, por exemplo, bandido bom é bandido morto; o povo está cansado de impunidade, está fazendo justiça com as próprias mãos

Ao ouvir as bravatas do Bartolomeu Almeida, tenho a impressão que ele é pior que o Garrastazu Médici, autoritário, egocêntrico e totalitário, desrespeitando o texto constitucional, quando qualifica o acusado por qualquer ilicitude como se o mesmo houvesse sido julgado por um juiz, portanto esse elemento é nocivo a comunicação, deseducando e desrespeitando a opinião pública diariamente.

Quero nessa oportunidade chamar atenção do presidente da Assembleia Legislativa do Piauí excelentíssimo senhor Themístocles Filho, em virtude de informações do diretor da escola do legislativo que esse elemento ministrará curso de oratória nos dias 21 e 22, como essa instituição tem um nome a zelar, tenho convicção que esse oportunista não tem condições de compor o corpo docente dessa escola, por seus atos, ações e atitudes antidemocráticas, desenterrando a censura e a ditadura com inaceitáveis processos de exclusão e abusivos ataques as liberdades legalmente constituídas a manifestação do cidadão brasileiro.

Como exemplo ao Deolindo, finalizo com a seguinte tragédia: O elemento que se autointitula de cronista social ocupando os microfones da emissora das 11h da manha ao meio dia de segunda a sexta feira, escandalizou os ouvintes ao declarar que juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça do Piauí tem o rabo podre, o seu rabo era fino, mas mexia muito e é gostoso.

OBS: Para quem propagandeia moralidade, respeito e etc, exijo explicações desses atos libidinosos.

Carlos Amorim DRT 2081/PI

conciliação processual

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima