Cegos com olhos saudáveis

Graças a Deus a Rejane Dias não é pessoa com deficiência, portanto justifica rasgados elogios a Marlúcia Gomes Evaristo de Almeida, promotora de Justiça lotada no Centro de Apoio Operacional de Defesa da Pessoa com Deficiência MP/PI.

Essa senhora ao longo dos anos presta veemente desserviço a 850 mil pessoas com algum tipo de deficiência existente no estado, autora de brutal e vergonhoso desrespeito a Lei Federal 10.098, artigo 9º ano 2000, ao conceder parecer proibitivo a instalação de sinal sonoro ao longo da Avenida Frei Serafim.

Em uma audiência com a Strans e respectivos representantes, senhores Ricardo Freitas, o engenheiro Douglas, Antônio Lopes, um advogado e este jornalista, a promotora elogiada pela 1ª dama totalmente descontrolada levantou-se de sua poltrona, aplicou violento murro na mesa e em altos brados asseverou que não me atenderia nunca mais, de forma truculenta e imbecilizada determinou: “Ponha-se daqui pra fora”, na oportunidade entregou o termo de audiência a uma auxiliar mandando que me conduzisse para outra sala para assinar o documento. Reagi informando que a denunciaria ao Conselho Nacional do MP, esta retrucou: Você pode ir falar até com o Papa, aqui você não entra mais.

Gostaria imensamente de saber o que justifica a presença da Marlúcia no posto que ocupa. Se o Brasil fosse um país sério, essa senhora seria submetida a uma avaliação de desempenho, sendo obrigada a devolver o dinheiro que recebe mensalmente sem trabalhar. Se por ventura for realizado um processo de custo beneficio, será confirmado imenso prejuízo que essa senhora promove aos cofres públicos do estado do Piauí.

Se necessário escreveria mil páginas descrevendo as estroinices dessa autoridade vejamos:

-O decreto Federal 5.296/2004 absolutamente desrespeitado em Teresina. O transporte público que deveria desde 2014 estar completamente adaptado ao acesso de cadeirante, inexiste aos olhos de cegos e da Marlúcia, sem que haja minúscula reação de quem quer que seja .

-A cultura de estacionamento de carros em calçadas é exemplo para o Brasil, prejudicando frontalmente a acessibilidade de pessoas com algum tipo de deficiência, com mobilidade reduzida ou dificuldade de locomoção.

-A instalação de toldo fora dos padrões da ABNT é acintosa e ultrajante, contando com a certeza da impunidade e da inercia da autoridade.

Estou declinando essas 3 pepitas da desordem da politica de acessibilidade dessa província com o objetivo de justificar a parceria Rejane Dias e Marlúcia Gomes. Acredito que um dia talvez muito distante a 1ª dama acordará desse sono profundo eivado de sonhos e utopias, talvez quando despertar o leite já tenha entornado de forma irrecuperável.

Para compor o pódio de ignorância, desconhecimento de causa e despreparo o governador Wellington Dias, em seu brevíssimo pronunciamento disse entregar ao CAP um negocinho que tem nome de remédio “Soroban” para a pessoa com deficiência visual efetuar cálculos de matemática,

O secretário de comunicação Franzé, em sua autoinserção, pois não havia sido convocado pelo cerimonial, mencionou tal de portador de necessidades especiais, demonstrando estúpido desconhecimento às determinações da convenção da ONU realizada em Salamanca na Espanha, como tambem a LBI, Lei Brasileira da Inclusão de nº 13.146-7/2015.

Ocupando o 3º lugar, um componente de apoio do cerimonial, ao me oferecer um copo com água o fez pelas minhas costas, me levando a constrangimento público, pois a pessoa que me entrevistava teve que me auxiliar, indignado perguntei se o mesmo tambem seria cego.

O fato dantesco tingiu de preto a solenidade comemorativa ao dia internacional a pessoa com deficiência, realizado tardiamente no palácio de karnak, minha sorte é que a inimputável elogiada não foi oportunizado sua manifestação, pois eu teria vomitado a buchada de bode que comi em um boteco no Poti Velho, provocado por náuseas e dores de parto pela voz de taboca rachada dessa inútil servidora pública.

Na ocasião foi entregue um veículo adaptado e outros materiais necessários a inclusão da pessoa com algum tipo de deficiência. Percebi facilmente que os contemplados foram municípios do sul do estado, apaniguados da 1ª dama cito: São João do Piauí, São Raimundo Nonato, Picos, Ipiranga, cujo prefeito José Maria, conseguiu conquistar minha antipatia em ínfimos 5 segundos de dialogo, quando demonstrou ser excludente e mal educado ao extremo, ao sentar-se ao meu lado o fez sem se quer pedir licença, é o que poso adjetivar de burro batizado. Presente a Belê, suplente de deputado estadual, 5 anos assumiu compromisso comigo em seu gabinete, aguardo o encontro ate a presente data.

É nítido visível e identificável a existência de pretexto esdrúxulo de proselitismo politiqueiro ancorado a solenidade. Lamentavelmente a comunidade de pessoas com algum tipo de deficiência continua sendo massa de manobra, presa fácil a oportunistas de plantão deliciarem-se de nossa fome, ignorância e ingenuidade.

Lembro-me que uma manifestante em seu entusiasmado pronunciamento declinou a celebre frase, “Nada por nós sem nós”, ocorre que a Mitsubishi fábrica japonesa de carros, colocou no mercado mundial, moderníssimos veículos adaptados a deficientes sem perguntar ao consumidor se aprovava o produto, o objetivo principal é disponibilizar o mesmo a quem tiver condições de adquiri-lo, ou seja, ter dinheiro para comprar.

O atual momento que o Brasil vive, provoca inquietações, denúncias, discussões e muita angustia por parte dos brasileiros, reclamam do mensalão, sacolão, cuecão, Lava Jato e da roubalheira generalizada no país, mas como poderá ocorrer a tão deseja mudança dos bandidos que dominam o poder politico e econômico dominante desta nação? Com o tipo de evento que testemunhei no palácio do governo, fica muito difícil haver severas substituições de atitudes por parte de subservientes e cativos cidadãos e cidadãs isentos do mínimo possível de discernimento para diferenciar uma arapuca de um pacote de sal grosso.

Quando fui convidado para a solenidade, imaginei tratar-se de procedimento sério, lamentavelmente mais uma vez quebrei minha cara.

Carlos Amorim DRT 2081/PI



Este texto foi publicado em terça-feira, dezembro 5th, 2017 às 8:58 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário