Burros, jumentos e cavalos

Neste processo eleitoral fala-se muito em renovação dos eleitos, lamentavelmente grande parte da sociedade não sabe o que significa essa tal renovação eleitoral, o preceito básico para o entendimento dessa possibilidade reflete ao pleito dos candidatos que mesmo detentores de mandatos estão em busca da conquista de um novo parlamento representativo, por exemplo: O Dr. Pessoa, ex-vereador, detém mandato de deputado estadual até janeiro de 2019, é candidato a governador, indubitavelmente preenchendo o quesito de “o novo”, e sucessivamente nos demais casos.

Não pode ser considerado como “o novo” candidato com mandato ou sem o mesmo, colocando seu nome para concorrer a reeleição para o mesmo cargo que desempenhou em anos anteriores. Tenho atentado para esse detalhe através de comentários de jornalistas e formadores de opiniões, incompetentes, desprovidos de conhecimentos, mal intencionados e tendenciosos, enganando a massa ignara que informada equivocadamente cria seus próprios proselitismo, os noviços como sendo aqueles que nunca exerceram mandatos eletivos, oriundos da sociedade civil organizada e desorganizada, preferencialmente deseducada, faminta, analfabeta e desestruturada, fica muito difícil para os estados e a união ter a representatividade popular sob a responsabilidade de cidadão e cidadã do nível que declino.

Seria verdadeiramente uma tragédia irremediável para o processo administrativo, político, democrático, operacional, administrativo e institucional desse gigante sonolento e ressacado chamado Brasil. O que se ouve nos pronunciamentos ínfimos na propaganda gratuita eleitoral é ultrajante, vergonhoso e decepcionante, quando os decrépitos ocupantes de mandatos há 30, 40, 50 anos prometem com a mão em cima da Bíblia fazerem no próximo mandato o que não conseguiram ao longo dos anos que usurparam indevidamente recursos públicos, auferindo benesses de todas as formas em favor de si mesmo e de sua prole, enquanto que os calouros prometem principalmente o que não tem condições de cumprir, como tambem a grande maioria desconhece quais suas atribuições a frente dos cargos que pleiteiam.

Na minha avaliação é primordial o Brasil investir maciçamente em educação política, conforme o instinto currículo de Organização Social e Politica/OSPB, como também Educação Moral e Cívica, sendo resgatado essas duas importantes matérias, será possível darmos excelente passo assegurando o exercício de cidadania do brasileiro, fora desse parâmetro é malhar em ferro frio e dar bom dia a jumento.

Tenho muita preocupação com o futuro do Brasil, evidentemente com o resultado do conteúdo das urnas eletrotônicas espalhadas por todo território nacional

OBS. Os poderes e instituições brasileiros devem punir severamente os autores de denunciação caluniosa e denúncias vazias em relação a urna eletrônica, todos que insurgirem em desfavor da segurança, garantia e licitude da urna eletrônica deve ser intimado a depor na Polícia Federal apresentando prova que essa máquina é violável por ter tido seu sigilo quebrado algum tempo e em algum lugar. A constituição brasileira assegura que o ônus da prova cabe a quem acusa, portanto esses canalhas e maus brasileiros devem pagar muito caro por suas afirmativas infundadas.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em segunda-feira, outubro 1st, 2018 às 9:33 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário