Bartolomeu Almeida, universo em desencanto

Mazzaropi, Zé Trindade, Oscarito, Costinha, Dercy Gonçalves e outros alegraram e provocaram sorrisos através das ondas da extinta rádio Tupi, com os programas humorísticos, Balança mais não cai e o impecável Maré Mansa, esses monstros sagrados da comunicação desmoralizaram o processo de censura imposto pelo governo militar nos áureos tempos de exceção, como exemplo foi instituído o Ministério da Censura, fiscalizado e disciplinado rigorosamente pelo Serviço Nacional de Informação(SNI). Os veículos de comunicação do Brasil eram obrigados a colocarem suas pautas ao crivo do censor que em sua absoluta maioria era formado por oficiais das Forças Armadas Brasileira.

Lamentavelmente por incrível que pareça em pleno século XXI e mesmo com o advento da Carta Magna Cidadã promulgada em 5 de outubro de 1988 não é reconhecida pela unanimidade dos brasileiros, existem os retrógrados, ignorantes, incompetentes, desinformados e imbecilizados que pregam em público o desejo que o povo seja submetido a rigorosa censura em suas liberdades legalmente constituídas, asseguradas nos artigos 1º ao 10º da Constituição Federal contemplando o bodejado do então governador do Piauí Mão Santa, que asseverava aos quatro cantos da nação que a ignorância é audaciosa, vejamos:

Quarta-feira 24 participei do programa jornalístico da concessão pública de rádio Teresina FM, critiquei a irresponsabilidade do prefeito de Teresina por ter extinto o sistema de transporte público, quando a linha 610 que tinha seu terminal no bairro Três Andares foi estendida a abrangência ao terminal rodoviário com o acréscimo de quase 3 km, cuja rota passa por seis comunidades servida por apenas dois ônibus, submetendo o usuário dessa linha a inomináveis constrangimentos públicos, perda de emprego, compromissos atrasados, estresse em decorrência de 70, 80, 90, 100 minutos esperando o transporte, declinei como sentença ao prefeito, prisão perpétua ou pena de morte por enforcamento em praça pública, classifiquei o prefeito de Teresina incompetente e descompromissado em promover toda essa desgraça.

Essa manifestação em microfones da Teresina FM causou inquietação em dois boçais que se manifestaram a meu respeito, dizendo que sou mal amado, que deveria sentar em um bar para tomar cerveja, sou crítico inveterado e desrespeitei de forma injusta a belíssima gestão do prefeito da cidade, verdadeiros capachos e bajuladores, sendo o argumento mais imbecilizado a segunda manifestação de um indivíduo que serve de pau mandado em troco de qualquer dez reais, asseverou que era inaceitável que eu mandasse assassinar o prefeito em praça pública, quando de fato o gestor é inocente, honesto e digno.

O agravante de todas essas indecorosas manifestações foi a intervenção do ancora Bartolomeu Almeida, que tentando justificar o injustificável cometeu uma série de estroinices, por exemplo garantir que a emissora deixa as pessoas falarem, que a rádio dá espaço e que as liberdades a manifestação das pessoas devem ser fiscalizadas, asseverou que somente esse veículo disponibiliza essas garantias. Ao ouvir esse disparate não tive a mínima sombra de dúvida que o apresentador ouviu o galo cantar, mas não sabe onde está o animal.

É importante informar que no meu caso específico detenho formação em comunicação de rádio difusão pela Escola Industrial do Maranhão através do Programa Intensivo de Preparação de Mão-de-Obra(PIPMO/1970) com estágio na concessão pública de rádio Timbira pertencente ao governo do estado, (janeiro de 1971 a julho de 1972). Em 1975 fiz curso de capacitação de rádio na Universidade Estadual do Rio de Janeiro(UERJ), quando tive como instrutores os seguintes profissionais: João Saldanha, Aroldo de Andrade, Rui Porto, Odair Marzano, José Mesquita, Mário Viana e outros, portanto milito nesse seguimento há 40 anos. Sou jornalista com fé pública garantido pela Fenaje e ABI, sou independente, livre e soberano para me manifestar, dissertar, pautar, escrever e falar sobre qualquer tema e assunto.

Quero tranquilizar aos 3 patetas vacilões que a pena de morte no Brasil é vedada pelas cláusulas pétreas existente no texto da constituição brasileira, reafirmo todas as minhas manifestações mencionando as irresponsabilidades administrativas protagonizadas pelo prefeito de Teresina e declino meu desejo, quando houver uma nova constituinte eleita que revogue as cláusulas pétreas atuais da constituição, consequentemente aprove no Brasil prisão perpétua e pena de morte. Minha opção para o sacrifício capital do prefeito de Teresina será trocado por fuzilamento em palco montado na praça Mal. Deodoro da Fonseca. Quero reiterar minha oferta massificada no programa de ontem o sobejo das minhas refeições permanecerão a disposição desses calhordas, compromisso assumido e cumprido

Quero parabenizar a Nicole Aguiar, pelo evento de comunicação promovido por essa emissora no auditório do Luxor Hotel, quando palestrantes renomados e especialistas em comunicação moderna, independente e livre ensinaram todos que estavam no recinto, lamentavelmente pelo que percebo não foram absolvidos pelos de mente tacanha e discernimento pífio, concordo com você caríssima Nicole, quando confidenciou-me o prejuízo causado com o evento oferecendo pão de ló a quem conhece apenas capim grosso como alimento principal.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em quinta-feira, julho 25th, 2019 às 9:19 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário