Bandido travestido de motorista

Dia 11 de julho do corrente ano às 19h cheguei ao ponto de ônibus localizado na Av. José dos Santos e Silva a 100 metros da delegacia de flagrante. Enquanto o tempo passava três ônibus que faziam a linha 612 Redenção, sentido centro bairro pararam no ponto que eu estava e perguntaram se aquela linha seria a minha, resposta negativa, continuei esperando. O primeiro ônibus da linha 612 que me abordou anteriormente foi ao terminal, retornou fazendo a mesma rota bairro centro conseguindo me encontrar no mesmo local, o motorista parou e me asseverou: Carlos Amorim você tem que denunciar esse absurdo que estais sendo vítima. Às 21h20 finalmente chegou o famigerado ônibus de número com o final 776 linha 610, com destino ao bairro Três Andares.

Ao tomar aquela velha sucata me deparei com uma vizinha que argumentou estar morta de cansada, pois esperava aquela condução desde as 19h30, um senhor que estava ao lado da mesma declinou que após as 18h a linha era servida apenas por um veículo, sendo aquele que estávamos a bordo o que partiu do terminal Três Andares às 20h30. É facilmente perceptível que esse consórcio não reúne condições mínimas de continuar operando, não entendo qual motivo que esse prefeito Fifi, irresponsável e descompromissado ainda não rescindiu o contrato dessa concessão.

É inadmissível, inexplicável e inaceitável a humilhante espera que o usuário do sistema é submetido, 2h20 em pé em um ponto de ônibus exposto a todo tipo de violência que se possa imaginar, uma artéria sem iluminação, sem segurança e sem as mínimas condições necessárias ao atendimento à pessoa com algum tipo de deficiência.

Como miséria pouco é lucro nessa terça-feira (24) cheguei no mesmo ponto identificado acima às 14h, às 14h44 passou um ônibus em alta velocidade na parte central da avenida, uma senhora que esperava seu ônibus a sombra de uma árvore na praça do outro lado da avenida veio até a mim e perguntou qual o ônibus que eu esperava, informei linha 610, bairro Três Andares, ela em tom de indignação e perplexidade disse: Foi o ônibus que passou a pouco e lhe deixou. Concluiu seus préstimos dizendo que lamentavelmente não teve a curiosidade de anotar o número do ônibus. Agradeci a gentileza ao tempo em que ela tomava uma Van para seu destino.

Peguei meu celular e liguei para o telefone 3214 5600, solicitei ao senhor Paulo que fizesse o rastreamento do ônibus conduzido por um operador irresponsável, declinei o horário e a linha, o senhor Paulo, muito gentil, cortês e solícito assumiu compromisso de identificar o despreparado profissional, desfiz a ligação e 10 minutos após me foi disponibilizado o número do ônibus 02.505, pertencente a empresa São Cristóvão, pedi o número do telefone da garagem, agradeci a excelente prestação de serviço do senhor Paulo e em seguida comuniquei a empresa o brutal descompromisso desse individuo de atitude repugnante e imoral devendo ser demitido sumariamente por justa causa para que a empresa não sofra as consequências desse mau-caráter profissional. Não entendo em absoluto a postura de um elemento do nível que descrevo.

Sou um homem com deficiência visual, estava em pé ao meio-fio com a pasta na mão esquerda e a bengala na mão direita há 44min em um sol escaldante, calor insuportável e passa um moleque de procedimento nefasto queimando o combustível do patrão aleatoriamente e não consegue entender que eu não estava naquela posição porque achava muito bonito, lindo ou maravilhoso, um indivíduo desse não tem o mínimo senso de psicologia, seu raciocínio é menor que semente de fumo, desprovido de discernimento para se quer encher um copo de água sem entornar o líquido precioso, o H2O.

O agravante para o crime cometido é que o operador verificou que eu estava a sós no ponto, em sua mente doentia ocorreu que jamais poderia ser identificado pelo seu irresponsável ato, lesando de forma mortal a Lei 13.146-7/2015

Resultado dessa tragédia, continuei a esperar a próxima condução, às 15h45min tomei um ônibus linha 612, bairro Redenção, essa opção improvisada ocorreu por já estar de saco cheio de esperar a famigerada linha 610, o ponto que desço é o cruzamento da Rua Dôta de Oliveira com Rua Cavour de Miranda, portanto para chegar em minha residência tive que caminhar cinco quarteirões a mais do meu trajeto normal, por ter descido no ponto da igreja São Francisco de Assis e seguindo em direção a íngreme subida até meu destino final.

O ato de desrespeito, irresponsabilidade e descompromisso desse consórcio é contemplado com a irresponsabilidade da Strans e principalmente desse prefeito mau-caráter detentor da concessão do transporte público de Teresina. Lamentavelmente o povo vota mal, vota péssimo vota corrompido por qualquer 10 reais, para que esses calhordas permaneçam décadas a fio conquistando mandatos sob mandatos e o cidadão contribuinte para a manutenção dessa joça é quem paga pelos desmandos desses canalhas.

Não é necessário que sejamos o matemático Oswald de Souza, nem tão pouco o criador da matemática moderna Scipione di Pierro Netto, para que cheguemos a conclusão que amarguei 1h45min esperando a tal moderníssima condução, propagada, divulgada e massificada por esse prefeito irresponsável adjetivado da Lava Jato de Fifi.

Carlos Amorim DRT 2081



Tags: , ,
Este texto foi publicado em quarta-feira, julho 25th, 2018 às 10:38 am na(s) categoria(s) Crítica, Denúncia, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário