Carlos Amorim

Carlos Amorim, aos 33 anos perdeu a visão em decorrência de um glaucoma, nessa ocasião residia no Rio de Janeiro onde recebeu as primeiras informações para viver a nova realidade que apresentava-se como um desafio a ser vencido. Percebeu com facilidade a estupidez da sociedade em desrespeitar, excluir, discriminar e desvalorizar a pessoa com deficiência. A partir de então travou uma luta titânica com a finalidade de educar, conscientizar, informar e sensibilizar as pessoas, autoridades e poderes constituídos, principalmente com todas as atenções voltadas a respeitabilidade da legislação vigente do Brasil pertinente a pessoa com deficiência. Tendo encontrado barreiras quase que intransponíveis, mas existe uma esperança em um número reduzidíssimo do contingente populacional do Brasil que também está encampando essa tarefa. A cada instante procura ocupar todos os espaços para divulgar essa necessidade premente como está sendo feito nesse veículo. A maior barreira encontrada não são as arquitetônicas, são de fato as atitudinais, quebradas essas barreiras teremos o nosso reconhecimento alcançado como pessoas produtivas, instruídas, competentes e que a cultura retrógrada do “CEGUINHO COM A CUIA NA MÃO” seja extirpada das mentes e dos corações da sociedade brasileira. Houve nesse processo de transição pós cegueira um intenso aprendizado, participações em congressos seminários, fóruns nas mais variadas unidades da federação brasileira, culminando com o reconhecimento de algumas instituições que perceberam sem muito esforço a importância do trabalho desenvolvido em benefício do bem estar da comunidade de pessoas com deficiência do estado do Piauí, em conformidade com certificados, títulos e diplomas expostos em visitações dos internautas. Enfim apresenta-se ao conhecimento de todos “OLHO DE ÁGUIA” projeto educativo, como uma prestação de contas do serviço prestado a comunidade de pessoas com deficiência do estado do Piauí ao longo de dez anos, tendo como conteúdo em suas 32 faixas de gravação em áudio, matérias institucionais, educativas, denúncias, reproduções de participações em rádio e televisão, entrevistas feitas e concedidas pelo autor desse projeto, reconhecimento de serviços e elogios a autoridades constituídas, pessoas físicas e jurídicas, todo esse trabalho voltado para a conscientização, informação e educação de todos, para o atendimento adequado às necessidade da pessoa com deficiência. É importante a participação de todos nessa nossa empreitada, não se recuse a colaborar. Carlos Amorim

Justiça cega é autêntica

Existe agora uma jurisprudência formada quando autoridades, instituições, poderes constituídos, cidadãos e cidadãs são atacados em sua honra e dignidade. É público e notório que em todas as atividades profissionais, desenvolvidas por seres humanos são passíveis da presença inoportuna de desqualificados e oportunistas. No meio dos formadores de opinião pública, não é diferente, mas com …

Justiça cega é autêntica Leia mais »

Ouro de tolo

Parabenizo o repórter e radialista Paulo Araujo pela sua humildade de reconhecer que errou, tornando-se um profissional diferenciado entre seus companheiros de profissão que em sua maioria são arrogantes, intransigentes, truculentos e usam o veículo de comunicação para atacar a honrra alheia. Estive sexta-feira da semana passada em uma audiência com o Paulo Araujo quando …

Ouro de tolo Leia mais »

Taça de cristal

Temos no Brasil uma vasta legislação federal que concede garantias de direitos a pessoa com deficiência. Existe uma cultura antiguíssima arraigada nas pessoas principalmente nessa região do Brasil, quando o cego é tratado como coitadinho, sem perspectiva, vontade própria, liberdade, independência a soberania. Temos direito a tudo que o cidadão dito normal, isto é, aquele …

Taça de cristal Leia mais »

Sal grosso no olho

Centro de Teresina revitalizado, um anseio antigo da nossa sociedade. Seria ótimo, bom ou razoável se não fosse o descaso das autoridades, principalmente das que tem atribuições de fiscalização. No cruzamento das ruas Simplício Mendes e Coelho Rodrigues encontra-se instalada uma vergonhosa barreira arquitetônica ao lado de uma faixa de pedestre. No mesmo local encontra-se …

Sal grosso no olho Leia mais »

171 na ACEP

Chamo atenção a quem de direito para coibir a brutal falta de respeito que impera na Associação dos Cegos do Piauí-ACEP. Existe nessa instituição uma escola custeada pelo poder público, onde os professores ali lotados são disponibilizados pelo estado e município. O ex-presidente dessa instituição, professor Aloízio Gonzaga de Carvalho Filho está desde janeiro sem …

171 na ACEP Leia mais »

Rolar para cima