Assessoria telepática remunerada criminosamente

Segunda-feira (14) por volta das 10h30min liguei para o telefone 32165212, recepção da delegacia geral de polícia civil, meu objetivo seria falar com o Riedel Batista, em virtude da ausencia do delegado o chefe de gabinete orientou a telefonista que indicasse assessoria de comunicação na pessoa de prenome Aline, o telefone fixo disponibilizado chamou por dezenas de vexes sem que uma viva alma o atendesse, comuniquei o fato a telefonista que informou o número do celular da servidora, quando a emenda saiu pior que o soneto, ao me atender a jornalista fez as perguntas de praxe, quando me identifiquei desligou abruptamente o telefone na minha cara, em seguida o retirou do ar, pois refiz a ligação por várias vezes tendo como resposta a infarenta voz eletrônica: Esse telefone está desligado ou fora da área de serviço.

Indignado com a falta de respeito da antiprofissional realizei ligação para o número 32165224, pela terceira vez pedi informação a secretaria de segurança do deputado federal e secretário Fábio Abreu, coincidentemente desta feita a prestação de serviço foi pior que jiló verde consumido com milho seco, o telefone chamou ininterruptamente dezenas de vezes sem que fosse atendido por um querubim caído de uma estrela cadente. Com base em informações o telefone fica na mesa do jornalista responsável pela comunicação da segurança.

O que percebemos referente a estes dois fatos corriqueiros pertencentes a mesma pasta, reflete o descaso desses apaniguados para com o contribuinte, com um agravante, são contemplados com a parcimônia, irresponsabilidade e conivência dos gestores públicos que não tem o cuidado de fiscalizarem a permanência dos barnabés no local de trabalho, conferindo os horários de entrada e saída, para que justifiquem o suado dinheiro público que recebem mensalmente.

Pelo meu conhecimento de longos anos de atividade comunicativa, tenho convicção que esses dois elementos são contratados como prestadores de serviço terceirizado ou detentores de cargo de confiança que em último caso possam ser concursados com disponibilidade absoluta a desenvolverem o tipo de serviço do qual fui vítima, ou seja, nenhum.

O secretário de administração do estado está fazendo esforço sobre-humano para moralizar a bandalheira no serviço público, é hora de colocar o ponto digital em todos os departamentos da polícia civil do estado do Piauí, para evitar que maus caracter usufruam ilegalmente do erário, oriundos dos cofres públicos do estado.

O nefasto procedimento promovido por esses dois personagens prejudicou frontalmente interesses dos dois setores administrativos da segurança, em virtude que foram impedidos de tomarem conhecimento de forma explícita de eventos inóspitos, inaceitáveis promovidos por membros sob responsabilidade das duas autoridades acima mencionadas.

Como sou exímio conhecedor dos modus operandi de profissionais relapsos, tenho certeza que pretextos esdrúxulos não faltarão para os autores justificarem suas ausências ou estroinices cometidas, mas é importante a convocação por nomeação de um substituto temporário para ao menos justificar com qualquer mentira a impossibilidade do titular do setor, lamentavelmente existem pessoas que imaginam ser atividade pública, aposentadoria precoce assegurando a indecorosa remuneração indevida a quem não trabalhou.

Carlos Amorim DRT 2081



Este texto foi publicado em sábado, agosto 19th, 2017 às 11:20 am na(s) categoria(s) Crítica, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário