Apollo 11 do Piauí

Dia 16 de maio em audiência no Ministério Público do Trabalho o sindicalista Valdeck Moraes entregou a procuradora Maria Helena documento publicado no site da Superintendência Regional do Trabalho. A publicação referente ao cancelamento do meu registro profissional como locutor, apresentador e animador, DRT nº 1612 deferido em 11 de maio de 2018, fruto de brutal erro cometido pelo servidor do setor, quando ignorou o decreto federal 9.329 de 4 de abril de 2018, após a sanção imediatamente publicado no Diário Oficial da União anulando o decreto 84.134 de 1979 que regulamentava a Lei 6.615 de 1978 modificando o registro profissional para (radialista comunicador).

O agravante do nefasto procedimento equivocado protagonizado pelo setor de registro profissional é que as DRTs deferidas com nomenclaturas erradas foram canceladas em todo Brasil causando transtorno, prejuízos e desgastes emocionais físicos e psicológicos a milhares de profissionais da rádio difusão brasileira, em decorrência de brutal irresponsabilidade por parte do Ministério do Trabalho que somente em maio de 2019 atualizou a nova legislação no sistema operacional das superintendências das 27 unidades federativa do Brasil.

Retomando a audiência da procuradoria do trabalho, a procuradora perguntou aos sindicalistas presentes Valdeck Moraes e J. Filho, como conseguiram o documento que lhe foi entregue, não tiveram respostas plausíveis a justificar a posse do documento em baila, não informaram a data da expedição, como tiveram acesso ao documento, a data que foi realizado a suspensão da DRT, o autor e outros, tive a sensação que aquelas feras a minha frente, transformadas em querubins que despencaram por acidente do trono celestial ao inferno terrestre de Teresina.

A procuradora Maria Helena tomou a termo os depoimentos, encerrou a audiência e entregou em minhas mãos o documento procedente do Valdeck Moraes. Dez minutos após me encontrava no setor de registro profissional do Ministério do Trabalho localizado na Avenida Frei Serafim. A chefe do setor ao avaliar a cópia imprensa da página no site da Superintendência Regional do Trabalho-PI informou detalhadamente os modus operandi, nefasto, desonesto, irresponsável e invasivo dos meus dados pessoais sem minha autorização.

Os autores do delito inseriram no sistema meu CPF, nome da minha mãe, data do meu nascimento e número da DRT 1612, apesar de leigo, mas curioso na ciência do direito posso qualificar esta deplorável ação como estelionato, falsidade ideológica, apropriação indébita, furto e uso indevido de dados alheio desautorizado. O que me suscita é o que esses quadrilheiros do Sindicato dos radialistas do Piauí são os abusos cometidos às escuras na calada da madrugada, lamentavelmente as vítimas que não são poucas ficam caladas, amedrontadas e temendo revanchismos por parte desse bando que tem três objetivos funcionais como atribuições diárias, atrapalhar, dificultar e prejudicar a vida alheia há mais de 30 anos, graças a Deus a lei 13.467 os colocou em nível de latrina fétida e insuportável, tomarei providências enérgicas e severas para que esses decrépitos paguem com o rigor da lei suas inaceitáveis ações delinquentes.

Carlos Amorim DRT 2081

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *