Adeus ingrata

A Lei 13.467/2017 que assegura garantias legais a reforma trabalhista assegurando direitos ao trabalhador brasileiro que doravante poderá flexibilizar sua carga horaria, datas de gozo de férias, plena negociação com a classe patronal e outra gama de benefícios impossível em anterior estado de exaustão da ultrapassada, vencida e obsoleta CLT datada dos idos de 1943.

Semana passada o Superior Tribunal Federal ao apagar das luzes para o recesso desse poder, enterrou de uma vez por todas dezenas de ações impetradas por pseudos sindicatos formados por aproveitadores, pelegos, desonestos, descompromissados, mercenários, mercantilistas, perseguidores e usurpadores da ingenuidade do trabalhador brasileiro a sofrível derrota com o placar de 6X3 em desfavor da contribuição sindical obrigatória, livrando os trabalhadores de serem achacados em seus minguados salários com o valor de uma diária anualmente em favor de sindicatos inexpressivo e descompromissado.

Absoluta maioria do trabalhador não tinha sequer o discernimento ou conhecimento desse furto, que também poderia ser adjetivado de apropriação indébita. Na faixa de salário-mínimo o que seria disponibilizado a esses calhordas têm o valor de R$ 31,80 (trinta e um reais e oitenta centavos), qualquer analfabeto é capaz de calcular 50 milhões de indivíduos com mão de obra ativa deduzindo de sua renda o valor citado, percebe-se facilmente a fábula que essas instituições amealhavam a pretexto de proteger e garantir direitos ao trabalhador.

É evidente que toda regra tem exceção, por esse motivo reconheço os contemplados nesse parâmetro, cito, Sindicato dos Jornalistas do Piauí, como também, Sindicato dos Oficiais de Justiça do estado. É importante informar que a constituição federal brasileira promovia estúpida contradição, quando garantia que nenhum trabalhador é obrigado a tornar-se membro associativo de sindicato, mas autorizava de forma legal e constitucional a praga da contribuição sindical obrigatória. Com a correção asseverada pela Lei Trabalhista Brasileira essa metástase cancerosa foi defenestrada de vez da vida do trabalhador desse país. Identifico que a democracia foi fortalecida em todos os aspectos, deixando a critério do trabalhador o exercício do livre arbítrio, se quer ou não contribuir com sua entidade sindical.

Na minha avaliação acredito que os radialistas do Piauí há muito decepcionaram-se com sua entidade sindical, deteriorada, desprestigiada e descompromissada impondo a sua categoria acordo salarial com piso no valor de R$1.350,00 (hum mil trezentos cinquenta reais). A título comparativo um gari terceirizado tem remuneração superior a categoria de comunicadores.

O que é aviltante e grave nesse episódio é a parcimônia, comodidade sindical e omissão, é o fato que muitos trabalhadores percebem mensalmente 10, 15, 20 mil reais de remuneração decorrente de comissões dos comerciais vinculados, mas o registro em carteira é apenas pouco mais que o salário-mínimo, embora temos os eternos membros do sindicato dos radialistas do Piauí propagando, propalando e massificando que atuam diuturnamente para garantir excelentes condições de trabalho e salários compensadores.

Pergunto a esses gênios, que explicação darão aos protegidos e apadrinhados desse segmento? Como não sou filiado a esse antro, aconselho aos que estão fazendo papel de bobo que abandone essa barca furada e corra para terra firme e segura, para que não pereçam a tragédia de um naufrágio anunciado.

Parabéns ao excelentíssimo senhor Michel Temer, presidente da República Federativa do Brasil pela visão extraordinária de corrigir criminosa maledicência nacional.

Carlos Amorim DRT 2081

DECRETO Nº 9.329, DE 4 DE ABRIL DE 2018

Altera o Anexo ao Decreto nº 84.134, de 30 de outubro de 1979, que regulamenta a Lei nº 6.615, de 16 de dezembro de 1978.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,caput, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 4º da Lei nº 6.615, de 16 de dezembro de 1978,

DECRETA:

Art. 1º O Decreto nº 84.134, de 30 de outubro de 1979, passa a vigorar com as seguintes alterações:

Art. 8º O atestado de que trata o inciso III do caput do art. 7º poderá ser fornecido por:

I – entidade pública ou serviço social autônomo que tenha por objetivo promover a formação ou o treinamento de pessoal especializado necessário às atividades de radiodifusão;

II – entidade sindical representativa dos trabalhadores da categoria profissional;

III – entidade sindical patronal do setor econômico; ou

IV – empresa que englobe em seu objeto social as atividades descritas no Anexo.
………………………………………………………………………………………………………” (NR)

Art. 2º O Anexo ao Decreto nº 84.134, de 30 de outubro de 1979, passa a vigorar na forma do Anexo a este Decreto.

Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 4 de abril de 2018; 197º da Independência e 130º da República.

MICHEL TEMER
Helton Yomura

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial da União – Seção 1 de 05/04/2018

 

Publicação:

Diário Oficial da União – Seção 1 – 5/4/2018, Página 2 (Publicação Original)

Contatos: (61) 32268751 Sindicato dos Radialistas de Brasília

(86) 32268480 Setor de Registro Profissional Superintendência do MP/PI

clique aqui



Tags:
Este texto foi publicado em quarta-feira, julho 4th, 2018 às 9:49 am na(s) categoria(s) Crítica, Denúncia, Geral. Você pode acompanhar todos os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Você pode deixar um comentário, ou dar trackback através do seu próprio site.

Deixe um comentário

Seu comentário