2016 será diferente

kkkkk 1kkkkk 1kkkkk 1kkkkk 1Pela segunda vez participei da Reatech – Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade. Foram batidos todos os recordes de visitações aos stands instalados no pavilhão de eventos, quando milhares de expositores exibiam seus produtos ao tempo em que concretizavam negócios dos mais variados valores em conformidade com a capacidade socioeconômica financeira dos clientes.

Nessa edição da XIV Reatech, representei de forma oficial o governo do estado do Piauí na pessoa do excelentíssimo senhor secretário de estado Mauro Eduardo, gestor a frente da Secretaria Estadual para Inclusão da Pessoa com Deficiencia – SEID. Representava também a Associação dos Cegos do Piauí – Acep, devidamente autorizado pelo presidente Aloízio Gonzaga de Carvalho Filho.

Recebi contribuições de diferentes segmentos profissionais de membros que compõem a sociedade piauiense. Fiquei estabelecido em posições estratégicas de grande visibilidade em espaços pertencentes ao governo federal, como: Viver sem Limite, Conade e Direitos Humanos da presidência da República. Exibi aos visitantes em um pedestal banner com a relação nominal dos apoiadores e patrocinadores do projeto.  Classifico minha performance como conquista de grande êxito em conformidade com o assédio que fui submetido, repleto de perguntas em decorrência da curiosidade dos visitantes com a novidade por mim apresentada.

Lembro-me de uma japonesa, relações públicas de uma fábrica de carros a qual concedi entrevista, no decorrer da mesma me disse: Sua invenção é simples e de grande utilidade, a magnitude de sua criatividade é única em todo o planeta terra. Milhões de pessoas que tiveram conhecimento do seu Modelo de Utilidade através dos mais variados veículos de comunicação disseram o mesmo, é bastante simples e fácil essa invenção, mas apenas você teve a felicidade de idealiza-la e materializá-la para beneficiar milhões de pessoas. Encerrou sua fala elogiosa formulando convite para em um futuro breve visitar o Japão.

Tenho consciência da responsabilidade que pesou em meus ombros para mostrar e demonstrar ao mundo a presença do Piauí naquele evento espetacular, fato este que me causou grande angustia e decepção ao perceber que fui o único representante desse estado como pioneiro prestes a receber do INPI carta patente definitiva para comercialização do produto. Sou obrigado a reconhecer que o Piauí é absolutamente invisível, desprezível, desonrado e desrespeitado por imensa massa populacional com poder aquisitivo privilegiado que desconhece nossos valores e potenciais individuais e coletivos. Temos que reagir com veemência a esse tipo de atitude que nos causa imensos prejuízos morais e terríveis constrangimentos desestimulante a continuarmos insistindo e persistindo conquistar um lugar ao sol.

Domingo (12) às 18h o evento foi encerrado, me desloquei a Av. Paulista onde estava hospedado e às 19h30 decolei do aeroporto de Congonhas a bordo do voo 3712 conexão em Brasília  onde  retornei  ao local de origem no 3882, portanto estou  prestando contas  da missão que cumpri com grande sucesso, embora tendo convicção que as dificuldades foram brutais, muitos compromissos que foram assumidos comigo não foram cumpridos, esses detalhes humilhantes nos remete a reconhecer um velho e conhecido adágio popular:  “Santo de casa não faz milagres”. kkkkk 1

kkkkk 1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *